É Melhor Dar Do Que Receber

 

É MELHOR DAR DO QUE RECEBER

 

Este é um assunto que as pessoas não gostam muito de tratar, mas é de tremenda importância para a vida da Igreja. Muitas pessoas têm problemas sérios na área financeira por não contribuir ou contribuir de maneira equivocada.

Pessoas inconstantes em seus dízimos tendem a serem instáveis na sua vida financeira. Pessoas que tem dificuldade para ofertar.

"Se uma pessoa está com a mão fechada para dar, não receberá. Para que Deus coloque algo na sua mão ela tem que estar aberta."

A Palavra de Deus diz: “Em tudo vos dei o exemplo de que assim trabalhando, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.” (Atos 20:35)

Nós precisamos entender que nosso compromisso com o corpo (irmãos em Cristo) também é um compromisso financeiro. Existem ainda muitos enfoques errados sobre esse assunto e muito que ainda precisa ser restaurado. Uns pecam pelo descaso, outros pela ganância.

O DINHEIRO: O que é o dinheiro?

É um meio de transação, um instrumento que permite a troca de bens e mercadorias.

Muitos textos que vamos estudar são do Velho Testamento e na época que alguns deles foram escritos ainda não havia moeda. Todos os artigos serviam como artigos de troca (gado, prata, ouro, objetos). A riqueza era medida, por exemplo, pela quantidade de gado. (Ex. Abraão Gênesis 13:2)

O primeiro metal que foi usado como instrumento de troca foi à prata. As pessoas trocavam bens por determinado peso em prata:

1 carro de guerra = 600 siclos de prata    1 cavalo = 150 siclos de prata

"E Abraão ouviu a Efrom, e pesou-lhe a prata de que este tinha falado aos ouvidos dos filhos de Hete, quatrocentos siclos de prata, moeda corrente entre os mercadores." (Gênesis 23:16)

"E subia e saía um carro do Egito por seiscentos siclos de prata, e um cavalo por cento e cinqüenta; e assim, por intermédio desses mercadores, eram exportados para todos os reis dos heteus e para os reis da Síria." (1 Reis 10:29)

A quantidade de metal a ser paga era controlada através do peso. A palavra siclo vem do hebraico SIQEL que quer dizer peso.  Mais tarde começou-se a usar a moeda de metal (cerca de 700 AC), estampando-se nela seu lugar de origem.

A NATUREZA DO DINHEIRO: O dinheiro é uma potestade, ou seja, ele tem poder em si mesmo. Exerce poder sobre as pessoas.

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas." (Mateus 6:24)

Neste texto Jesus usa uma palavra em aramaico para riquezas: Mamom (indica algo que tem natureza pessoal e espiritual). Não podeis servir a Deus e a Mamom. O dinheiro tem a tendência de conduzir as pessoas para longe do Deus verdadeiro (o jovem rico amava a Deus, mas amava mais a Mamom.)

O Dinheiro possui muitas características de um deus: Dá segurança, Liberdade, Poder (sensação de onipotência). Parece onipresente.

Um dos problemas mais sérios do dinheiro (Mamom) é que ele reivindica a lealdade e amor que pertencem somente a Deus.

Por isso em Lucas capítulo 14 verso 33 Jesus diz: “Assim, pois, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui, não pode ser meu discípulo.”

Temos que aprender a usar o dinheiro que Deus nos dá (confia aos nossos cuidados), sem amar o dinheiro.

“Alonga de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza: dá-me só o pão que me é necessário; para que eu de farto não te negue, e diga: Quem é o Senhor? ou, empobrecendo, não venha a furtar, e profane o nome de Deus.” (Provérbios 30:8-9)

O DINHEIRO PODE SER UM EMPECILHO OU UM INCENTIVO

Empecilho: Pois se nos apegarmos a ele, atrapalha nosso relacionamento com Deus. Incentivo: Pois pode ser usado para intensificar nosso relacionamento com Deus e a sua obra.

Conceitos errados:

O Dinheiro é Neutro. (Nem bom, nem mau): - O dinheiro não é neutro. Ele pode ser bom, se usarmos para o bem, ou pode ser mau, se usarmos para o mal. O Dinheiro não satisfaz: - O dinheiro satisfaz sim!! Para uma pessoa materialista que ama o dinheiro e as coisas que ele pode dar, o dinheiro satisfaz. Rico é quem tem muito dinheiro: - Você não é rico pela quantidade de bens (ou dinheiro) que possui, mas pela quantidade de coração que coloca neles. Uma pessoa pode ter muito dinheiro e ser pobre para Deus. Outras podem ter pouco dinheiro e ser ricas para Deus.

Você é pobre quando o que tem é seu. Você é realmente rico quando o que tem é dos outros.

O SENHOR E O DINHEIRO: Qual a relação de Deus com o dinheiro?     

"Minha é a prata, e meu é o ouro, diz o Senhor dos exércitos." (Ageu 2:8)

“Tanto riquezas como honra vêm de ti, tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; na tua mão está o engrandecer e o dar força a tudo." (1 Crônicas 29:12)

Nestes textos vemos que todo o ouro, toda a prata, todas as riquezas são do Senhor, pertencem a Ele, estão sob o seu domínio. (Até o dinheiro que está no seu bolso agora): Até o dinheiro que temos não é nosso, é de Deus. Deus nos dá para administrarmos para Ele.

SEJAMOS ENTÃO BONS ADMINISTRADORES 

Usemos de acordo com a vontade Dele. Segundo as prioridades Dele. Deus nos dá o dinheiro não para que sejamos escravos dele, ou amemos a ele ou sirvamos a ele, mas para que façamos bom uso dele.

O nosso coração não deve estar no dinheiro, e sim no Senhor. O objetivo de Deus não é nos tornar ricos, mas sim nos tornar semelhantes a Jesus.

DÍZIMOS: O que é dizimo?

O conceito é simples: é a décima parte ou 10%. Consiste em devolvermos ao Senhor (a décima parte ou seja10 %) de tudo que ele nos dá.

1) Ele é misericordioso e bom. De quem é todo ouro, toda prata e todo dinheiro? De quem é o mundo e tudo que nele há? Do SENHOR.

Nós plantamos, colhemos,  recebemos, vivemos e respiramos no mundo que é do Senhor. E ele só pede em troca 10 % do que recebemos.

2) Quer produzir em nós fé e obediência. Deus não precisa do nosso dinheiro. Mas quer que sejamos fiéis e obedientes, desprendidos do dinheiro e atentos as necessidades uns dos outros. Para isso precisamos ter fé que Ele cuida de nós, depender Dele para nosso sustento, saber que nosso sustento vem do Senhor e não do salário.

O que diz a bíblia ? 

"Certamente darás os dízimos de todo o produto da tua semente que cada ano se recolher do campo." (Deuteronômio 14:22)

"Também todos os dízimos da terra, quer dos cereais, quer do fruto das árvores, pertencem ao Senhor; santos são ao Senhor." (Levítico 27:30)

O dízimo pertence ao Senhor, é propriedade dele. Não nossa (Este é um conceito fundamental.)

O dízimo não é parte da nossa renda que damos ao Senhor. São os 10% pertencentes a Deus dentre tudo que Ele nos dá (É  Dele). Nós não damos o dízimo. Nós devolvemos o dízimo ao Senhor.- é propriedade dEle. Por isso, não devemos retirar do que sobra e sim separar das primícias da nossa renda.

Muitas pessoas que não devolvem o dízimo e retém para si, ou usam o dinheiro do dizimo para outras coisas. Estão usando o dinheiro do Senhor e não seu, e sendo infiéis, desobedientes e roubadores.

"Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda." (Provérbios 3:9)

Este conceito estava presente desde a criação do mundo, no jardim do Éden  (Adão, Eva e a Árvore). Desobedecendo este principio, eles trouxeram problemas para si e para toda humanidade.

Dar o dízimo é uma questão de fidelidade e obediência ao Senhor.

Quando não somos fiéis no dízimo e usamos o dinheiro que é do Senhor para outras coisas, estamos roubando a Deus.

"Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas alçadas. Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda." (Malaquias 3:8-9)

Quando não damos o dízimo, trazemos maldição para nós mesmos.

Às vezes, a pessoa não dá o dízimo e acaba gastando mais com A FARMÁCIA.

Não dá porque NUNCA SOBRA - Mas não é para dar a sobra, e sim as Primicias.

Não dá porque está sempre em dificuldade financeira - Mas se continuar a roubar a  Deus, vai continuar assim.

Não estou dizendo que toda dificuldade financeira é proveniente da retenção do dízimo, ou que o dízimo é uma fórmula mágica para reverter qualquer crise financeira. Mas existe um princípio de fé e obediência por trás do dízimo que se seguirmos seremos abençoados.

"Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança. Também por amor de vós reprovarei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; nem a vossa vide no campo lançará o seu fruto antes do tempo, diz o Senhor dos exércitos." (Malaquias 3:10-11)

Sempre que obedecemos um princípio de Deus, nós somos abençoados; e nesse caso não é diferente. O Senhor diz que:

    Abrirá as janelas do céu  -     Repreenderá o devorador  -      Fará nossa terra dar frutos.

Isto é conseqüência de fé e obediência: O texto diz "minha casa" Qual é a casa de Deus? A Igreja e Casa do tesouro (Cristo é o tesouro).

Nós devolvemos os dízimos à Igreja, ou mais especificamente, aos homens que Deus colocou para governar a Igreja. Não vamos entrar aqui na questão de como os dízimos são aplicados. Mas vemos no Velho Testamento que ele tinha uma finalidade específica:

Era para sustento dos levitas - Povo que cuidava da casa de Deus.

Quando o povo de Israel chegou à terra prometida, foi feita uma divisão da terra entre as tribos de Israel. Os levitas não receberam nenhuma parte. Deus os separou para si. Eles só trabalhariam para o Senhor e o próprio Senhor cuidaria deles.

"Eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que prestam, o serviço da tenda da revelação." (Números 18:21)

"Quando acabares de separar todos os dízimos da tua colheita do terceiro ano, que é o ano dos dízimos, dá-los-ás ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e ã viúva, para que comam dentro das tuas portas, e se fartem." (Deuteronômio 26:12)

Por isso Deus reverteu os dízimos para eles: O povo de Israel é uma figura da Igreja; e os levitas representam as pessoas que servem na casa de Deus, ou seja, os presbíteros e diáconos que governam e administram a igreja. Vemos então que o dinheiro do dízimo não é para construção de templos, aquisição de bens para a igreja, reformas, campanhas, etc. Este dinheiro deve vir de outra fonte.

O dízimo é para sustento dos obreiros - pessoas que se dedicam exclusivamente na obra de Deus.

Vemos também que 700 anos antes da lei, Abraão deu o dízimo de todos os seus bens a Melquisedeque, sacerdote do Deus Altíssimo (figura de Jesus)

"Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo; e abençoou a Abrão, dizendo: bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra! E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo." (Gênesis 14:18-20)

Melquisedeque era rei, não precisava ser sustentado por Abraão.

Abraão deu o dízimo num sinal de reconhecimento da soberania e autoridade de Melquisedeque (reverência). Nem era uma exigência de Deus. Ele deu espontaneamente. Mais tarde seu neto Jacó seguiu seu exemplo e deu o dízimo quando teve a revelação da casa de Deus.

"Então esta pedra que tenho posto como coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo." (Gênesis 28:22)

A lei regulamenta o dízimo, mas o princípio do dízimo é muito mais profundo, e não depende da lei.

A graça sempre excede a lei, vai além. A velha aliança era baseada na lei de Moisés, mas a nova aliança é baseada na graça.

 

Velha Aliança Nova Aliança Deus precisou fazer uma marca na carne para mostrar a aliança (circuncisão): "Esta é a minha aliança, que guardareis entre mim e vós, e a tua descendência depois de ti: Que todo o homem entre vós será circuncidado. E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal da aliança entre mim e vós." (Gênesis 17:10-11) Deus faz uma marca no coração, no nosso espírito: "Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne." (Filipenses 3:3) Deus deu a lei escrita em tábuas de pedra: "E deu a Moisés (quando acabou de falar com ele no monte Sinai) as duas tábuas do testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus." (Êxodo 31:18) Deus Grava sua lei em nossos corações: "Esta é a aliança que farei com eles Depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seus corações, E as escreverei em seus entendimentos ..." (Hebreus 10:16) Deus estabelece um percentual da renda de todo homem para lhe ser devolvido, a fim de lembrar-lhe que tudo o que possui provém do Senhor: "E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo." (Gênesis 28:22); - "E, perante o SENHOR teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao SENHOR teu Deus todos os dias." (Deuteronômio 14:23) Deus não estabelece um percentual, mas nos deixa livres para dar tudo. Uma vez que renunciamos a tudo por Jesus, nada mais é nosso, é tudo dele: "Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo." (Lucas 14:33) Fala de uma nação terrena ( Israel ) com promessas terrenas e esperanças terrenas: "Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?" (Atos 1:6) Fala de uma nação espiritual (Igreja), celestial, com promessas e esperanças eternas: "Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas." (Filipenses 3:20-21)

 

O mínimo que podemos dar é o dízimo, conforme diz a lei (estaremos seguindo a lei). Mas pela graça, estamos livres para dar mais.

"Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus" (Mateus 5:20).

O significado mais profundo do dízimo é:

"Deus não é Senhor apenas de 10% de minhas finanças, Ele é o Senhor de tudo (100%)".

AS BENÇÃOS QUE SEGUEM O DÍZIMO

O que queremos mostrar aqui não é que se você der o dízimo Deus vai enriquecê-lo, ou que todos os seus problemas financeiros serão solucionados. Não é com esse objetivo que devemos dar o dízimo. O que queremos mostrar é que este é um princípio de Deus e pelo fato de obedecermos a um princípio de Deus somos abençoados.

"Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda." (Provérbios 3:9)

"Se as primícias são santas, também a massa o é; e se a raiz é santa, também os ramos o são." (Romanos 11:16)

Devolvendo o dízimo estamos honrando a Deus e em conseqüência disto santificando toda a nossa renda.  Damos uma parte a Deus e Ele faz prosperar o restante.

O Senhor abrirá as janelas do céu e derramará as bençãos sem medidas (Deus faz o seu pouco prosperar e ser suficiente)

Ofertar é dar: Na bíblia o seu conceito está ligado a idéia de sacrifício. É dar algo que nos custe, que é valioso para nós.

"Então disse Araúna a Davi: Tome e ofereça o rei meu senhor o que bem lhe parecer; eis aí os bois para o holocausto, e os trilhos e os aparelhos dos bois para lenha. Tudo isto, ó rei, Araúna te oferece. Disse mais Araúna ao rei: O Senhor teu Deus tome prazer em ti. Mas o rei disse a Araúna: Não! antes to comprarei pelo seu valor, porque não oferecerei ao Senhor meu Deus holocaustos que não me custem nada. Comprou, pois, Davi a eira e os bois por cinqüenta siclos de prata." (2 Samuel 24:22-24)

Não devemos ofertar ao Senhor algo que não custe nada para nós.

Na bíblia encontramos vários tipos de ofertas:

Queimada Pelo pecado -   Pacífica  Movida De libação -   De ação de graças -    De incenso -    Dos primeiros frutos  -  Para Redenção.

"Disse mais o Senhor a Moisés: Fala a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei da oferta pelo pecado: no lugar em que se imola o holocausto se imolará a oferta pelo pecado perante o Senhor; coisa santíssima é. O sacerdote que a oferecer pelo pecado a comerá; comê-la-á em lugar santo, no átrio da tenda da revelação.

Tudo o que tocar a carne da oferta será santo; e quando o sangue dela for espargido sobre qualquer roupa, lavarás em lugar santo a roupa sobre a qual ele tiver sido espargido. Mas o vaso de barro em que for cozida será quebrado; e se for cozida num vaso de bronze, este será esfregado, e lavado, na água. Todo varão entre os sacerdotes comerá dela; coisa santíssima é. Contudo não se comerá nenhuma oferta pelo pecado, da qual uma parte do sangue é trazida dentro da tenda da revelação, para fazer expiação no lugar santo; no fogo será queimada." (Levítico 6:24-30)

Estas ofertas ou sacrifícios eram requeridas com muitas exigências e sempre visavam a obtenção de uma dadiva  perdoadora.

Não era qualquer tipo de oferta. Nem todos podiam ofertar. Só o sumo sacerdote ofertava e através dele o perdão era concedido ao povo.

Todas as bençãos, redenção, perdão de pecados, nós já possuímos em JESUS. Por isso todos estes tipos de ofertas e sacrifícios foram abolidos pela obra de Jesus na cruz. Todo ritual religioso judaico foi abolido por Jesus.

Haviam porém dois tipos de ofertas entre o povo de Deus que não estavam associadas a obtenção de alguma benção, ou perdão de pecados, nem a um ritual religioso, mas sim ao princípio de dar, de contribuir.

Por isso não foram abolidas e são referenciadas no Novo testamento, praticadas pelos discípulos da Igreja primitiva e usadas até hoje. Ofertas voluntárias.

Oferta voluntária é a que oferecemos ao Senhor, espontaneamente, por livre vontade.

"Depois celebrarás a festa das semanas ao Senhor, teu Deus, segundo a medida da oferta voluntária da tua mão, que darás conforme o Senhor teu Deus te houver abençoado." (Deuteronômio 16:10)

"E veio todo homem cujo coração o moveu, e todo aquele cujo espírito o estimulava, e trouxeram a oferta alçada do Senhor para a obra da tenda da revelação, e para todo o serviço dela, e para as vestes sagradas. Vieram, tanto homens como mulheres, todos quantos eram bem dispostos de coração, trazendo broches, pendentes, anéis e braceletes, sendo todos estes jóias de ouro; assim veio todo aquele que queria fazer oferta de ouro ao Senhor." (Êxodo 35:21-22)

"Então os chefes das casas paternas, os chefes das tribos de Israel, e os chefes de mil e de cem, juntamente com os intendentes da obra do rei, fizeram ofertas voluntárias; e deram para o serviço da casa de Deus cinco mil talentos e dez mil, dracmas de ouro, e dez mil talentos de prata, dezoito mil talentos de bronze, e cem mil talentos de ferro." (1 Crônicas 29:6-8)

"Agora, pois, ó nosso Deus, graças te damos, e louvamos o teu glorioso nome. Mas quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos fazer ofertas tão voluntariamente? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos. Porque somos estrangeiros diante de ti e peregrinos, como o foram todos os nossos pais; como a sombra são os nossos dias sobre a terra, e não há permanência:

Ó Senhor, Deus nosso, toda esta abundância, que preparamos para te edificar uma casa ao teu santo nome, vem da tua mão, e é toda tua. E bem sei, Deus meu, que tu sondas o coração, e que te agradas da retidão. Na sinceridade de meu coração voluntariamente ofereci todas estas coisas; e agora vi com alegria que o teu povo, que se acha aqui, ofereceu voluntariamente." (1 Crônicas 29:13-17)

OFERTAS ALÇADAS - Oferta alçada é a levantada com uma finalidade específica.

No VelhoTestamento, foram usadas principalmente para a construção do templo (1 Crônicas 29). No Novo Testamento, era usada principalmente para suprir as necessidades dos discípulos.

"Ora, quanto à coleta para os santos fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galiléia. No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder, conforme tiver prosperado, guardando-o, para que se não façam coletas quando eu chegar." (1 Coríntios 16:1-2)

"Porque estando eu ainda em Tessalônica, não uma só vez, mas duas, mandastes suprir-me as necessidades." (Filipenses 4:16)

O que distingue a OFERTA VOLUNTÁRIA da OFERTA ALÇADA é que a alçada tem uma finalidade específica, a voluntária não.

Mas segundo a palavra de Deus, toda oferta, seja voluntária ou seja espontânea, mesmo as ofertas alçadas, devem ser dadas de coração.

A PRÁTICA DOS APÓSTOLOS

O que nos chama a atenção no Novo Testamento é que os apóstolos não falavam nem pregavam sobre dízimos e sim sobre ofertas. Isto por causa do princípio de vida da Igreja.

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Em cada alma havia temor, e muitos prodígios e sinais eram feitos pelos apóstolos. Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens e os repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um.

E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos." (Atos 2:42-47)

Eles perseveravam no partir do pão. Repartiam tudo. Não viviam mais para si, mas para o Senhor.

Não havia necessidade dos apóstolos falarem e dar 10% quando as pessoas depositavam tudo a seus pés.

"Da multidão dos que criam, era um só o coração e uma só a alma, e ninguém dizia que coisa alguma das que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns. Com grande poder os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Pois não havia entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que vendiam e o depositavam aos pés dos apóstolos. E se repartia a qualquer um que tivesse necessidade. então José, cognominado pelos apóstolos Barnabé (que quer dizer, filho de consolação), levita, natural de Chipre, possuindo um campo, vendeu-o, trouxe o preço e o depositou aos pés dos apóstolos." (Atos 4:32-37)

HAVIA NECESSIDADE DE DÍZIMO?

Eles ofertavam tudo. 

Isto vai além (graça) de contribuir ou ofertar parte da renda. Isto vai além (graça) de dar 10%. Significa que o que é meu é dos irmãos e que a necessidade dos irmão é a minha necessidade. Significa que tudo o que é meu é do Senhor.

Para isso é necessário uma profunda operação do Espírito Santo no nosso coração levando-nos a um intenso compromisso com os irmão em amor.

É interessante observarmos que não foi nenhum deles que teve esta idéia ou decidiu mudar: "De agora em diante não daremos mais os dízimos!". Foi obra do Espírito Santo no coração do povo.

Para isso precisamos entender que a nossa pátria está no céu e não na terra.

"Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo." (Filipenses 3:20)

"E se, na verdade, se lembrassem daquela donde haviam saído, teriam oportunidade de voltar. Mas agora desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha deles, de ser chamado seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade." (Hebreus 11:15-16)

EM FAVOR DE QUEM DEVEMOS OFERTAR:  

Aos pobres e necessitado: (A igreja também tem pobres) Aos da família da fé (irmãos): "Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé." (Gálatas 6:10) A todos os homens: "Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência." (Gálatas 2:10) - Diz respeito a sustento e vestimenta.

Para a obra de Deus:

1) Na localidade:

Para sustento dos presbíteros e diáconos: "Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário." (1 Timóteo 5:17-18) Demonstrando gratidão; Suprindo necessidades da igreja.

2) Fora da localidade: Missionarios, obreiros e apóstolos:

"Todavia fizestes bem em tomar parte na minha aflição. E bem sabeis também, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente; porque também uma e outra vez me mandastes o necessário a Tessalônica. Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta. Mas bastante tenho recebido, e tenho abundância. Cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus. O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus." (Filipenses 4:14-19)

COMO OFERTAR: Qual deve ser a nossa atitude ao contribuir? 

A bíblia nos ensina claramente a respeito desse assunto:

Dar com discrição (ser discreto), Mateus 6:2-3,     Dar livremente (Lucas 6:38),    Dar como ao Senhor (2 Coríntios 8:5),   Ser Generosos (2 Coríntios 8:2).

Deve ser prova de nosso amor: "Portanto mostrai para com eles, perante a face das igrejas, a prova do vosso amor, e da nossa glória a vosso respeito." (2 Coríntios 8:24)

Deve ser de acordo com o que temos: "Porque, se há prontidão de vontade, é aceitável segundo o que alguém tem, e não segundo o que não tem."  (2 Coríntios 8:12)

"Como está escrito: Ao que muito colheu, não sobrou; e ao que pouco colheu, não faltou." (2 Coríntios 8:15)

Deve glorificar a Deus: "Visto como, na prova desta ministração, eles glorificam a Deus pela submissão que confessais quanto ao evangelho de Cristo, e pela liberalidade da vossa contribuição para eles, e para todos." (2 Coríntios 9:13)

Não ser legalistas  (dar de coração),   Dar porque tem que dar,   Dar para cumprir a lei (principalmente c/ relação ao dízimo), Dar para se sentir justificado, Sensação de dever cumprido, Não ser mercenário com Deus  (dar em troca de alguma benção), Não ser justo aos próprios olhos, Ser constante nas contribuições,  Planejar suas ofertas,  Estar atento às necessidades dos irmãos.

A LEI DA SEMEADURA

"Mas digo isto: Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e aquele que semeia em abundância, em abundância também ceifará." (2 Coríntios 9:6)

"Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, e pão para comer, também dará e multiplicará a vossa sementeira, e aumentará os frutos da vossa justiça." (2 Coríntios 9:10)

O pão é para alimento, a semente é para semear. Nosso dinheiro também tem estas duas finalidades: Sustento e Semear (dar):

SEMEADURA: Quem semeia pouco colhe pouco. Quem semeia muito colhe muito. Quanto mais semeia (dá) mais colhe (recebe).

Ajuntar muito dinheiro não é uma boa idéia, pois não sabemos o dia de amanhã.

Podemos morrer, deixar a conta cheia e perder a oportunidade de ofertar e repartir.   

"E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui. Propôs-lhes então uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produzira com abundância; e ele arrazoava consigo, dizendo: Que farei? Pois não tenho onde recolher os meus frutos. Disse então: Farei isto: derribarei os meus celeiros e edificarei outros maiores, e ali recolherei todos os meus cereais e os meus bens; e direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe, regala-te.

Mas Deus lhe disse: Insensato, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. E disse aos seus discípulos: Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, nem quanto ao corpo, pelo que haveis de vestir. Pois a vida é mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário. Considerai os corvos, que não semeiam nem ceifam; não têm despensa nem celeiro; contudo, Deus os alimenta. Quanto mais não valeis vós do que as aves! Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura?" (Lucas 12:15-25)

"Lança o teu pão sobre as águas, porque depois de muitos dias o acharás. Reparte com sete, e ainda até com oito; porque não sabes que mal haverá sobre a terra. Estando as nuvens cheias de chuva, derramam-na sobre a terra. Caindo a árvore para o sul, ou para o norte, no lugar em que a árvore cair, ali ficará. Quem observa o vento, não semeará, e o que atenta para as nuvens não segará.” (Eclesiastes 11:1-4)

A OFERTA DA VIÚVA POBRE: A viúva deu apenas uma moeda e sua oferta foi considerada maior do que a dos ricos que ofertavam muito.

"E sentando-se Jesus defronte do cofre das ofertas, observava como a multidão lançava dinheiro no cofre; e muitos ricos deitavam muito. Vindo, porém, uma pobre viúva, lançou dois leptos, que valiam um quadrante. E chamando ele os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deu mais do que todos os que deitavam ofertas no cofre; porque todos deram daquilo que lhes sobrava; mas esta, da sua pobreza, deu tudo o que tinha, mesmo todo o seu sustento." (Marcos 12:41-44) 

Ela deu 2 leptos  (1 moeda), talvez na hora de se usar esta moeda pouca coisa se faria com ela. Mas diante de Deus foi uma grande oferta.

Jesus explica porque:Todos deram do que sobrava. Ela deu tudo o que tinha para seu sustento (100%).

1) Amor: Ninguém mandou ela dar tudo. Ela ofertou livremente. Era algo espontâneo, honrando a Deus e sua obra Deu por amor a Deus e seu reino.

2) Fé: Ela deu tudo, não ficou com nada, nem para o seu sustento. Jesus não demonstrou nenhuma pena dela. Ele sabia que a mulher estava acionando um princípio poderoso de Deus para o seu suprimento: a Fé.

Dar quando se tem muito é fácil.   Dar do que sobra é mais fácil ainda.   

Mas dar quando se tem necessidade exige fé.

Este é o princípio de Deus que abre as janelas do céu. Isto significa confiar mais em Deus do que nas riquezas.

É ter fé que Deus proverá o meu sustento independente do dinheiro.

Para nós é mais fácil ter dinheiro e comprar o que precisamos, mas para Deus pode ser melhor que fiquemos sem dinheiro e aprendamos a depender dEle. 

Isso Quebra o orgulho do homem, contribui para o despojamento da carne, é benção espiritual.

A mulher não estava dando com a intenção de receber mais. Ela estava disposta a passar privações para que outros não passassem.

Este é o padrão que devemos buscar no novo testamento. Se as nossas contribuições não nos expõem ao sacrifício, ainda não atingimos o padrão ensinado por Jesus.

Não devemos ofertar a Deus o que não significa nada ou não valha nada para nós.

 



www.casadosenhor.com.br
Salvar em PDF
Compartilhar

Estudos Bíblicos. Rádio Web Nova Vida - Bíblia Online

Ministério Internacional Casa do Senhor. © 2003-2018 Todos os direitos reservados. ®