O Jovem Rico - Mateus 19:16-22

 

O JOVEM RICO


" E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos. Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho; Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo. Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda?Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades. Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que é difícil entrar um rico no reino dos céus." (Mateus 19:16-23)

1. O jovem em quest√£o entrou em cena na √ļltima viagem de Jesus a Jerusal√©m. Lucas nos informa que se tratava de uma pessoa de alta posi√ß√£o: "E perguntou-lhe um certo pr√≠ncipe...", Lc 18.18. A palavra "pr√≠ncipe" no original √© "arcwn" (archon), que significa "governador", "comandante", "chefe", "l√≠der", o que nos mostra que se tratava de algu√©m muito importante, dentro da sociedade judaica. Al√©m disso, a Palavra de Deus nos fala ainda, que se tratava de algu√©m muito rico, uma vez que possu√≠a "muitas propriedades".
 

2. Fato digno de nota é ele ter vindo ao encontro do Senhor. Com certeza já ouvira falar da vida e ministério de Jesus, ou quem sabe, até mesmo, presenciado alguns dos seus milagres e sinais, o que o levou a sentir uma grande atração pelo Mestre. Foi até Jesus esperançoso para fazer a pergunta mais importante que alguém poderia fazer Vamos ver algumas atitudes comprometedoras deste moço, demonstradas em sua conversa com o Senhor:
 

I. FEZ UMA PERGUNTA DE GRANDE IMPORT√āNCIA, MAS SEM ESTAR DISPOSTO A ASSUMIR UMA POSI√á√ÉO¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† ¬†
 

1. √Č poss√≠vel que a grande pergunta tenha sido feita, em raz√£o do conhecimento pr√©vio que o jovem tinha da pessoa de Jesus. Ao ver as realiza√ß√Ķes do Senhor, chegou √† conclus√£o de que Ele ensinava o caminho correto para a entrada no reino de Deus. Da√≠, a sua pergunta significativa ‚Äď "Bom mestre, que farei para conseguir a vida eterna"? Tal pergunta revelou seu imenso desejo de fazer parte do reino! Sua inten√ß√£o era correta, embora n√£o soubesse aproveit√°-la.
 

2. Não basta ao pecador fazer perguntas acerca da salvação, é necessário abraçá-la, crer no sacrifício realizado pelo Filho de Deus, recebendo-O no coração. Somente assim podemos alcançar a vida eterna e fazer parte da família de Deus. João disse: "11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome", Jo 1.11-12. Somente nos tornamos "filhos de Deus" com direito a vida eterna, através da fé em Cristo!
 

3. O plano de Deus para salvação envolve a fé, o crer. Vejamos alguns textos na Palavra de Deus, que nos esclarecem melhor esta verdade:

a) Mensagem inicial do Senhor, Mc 1.15, "E dizendo: O tempo est√° cumprido, e o reino de Deus est√° pr√≥ximo. Arrependei-vos, e crede no evangelho". Observe a √™nfase da mensagem de Cristo ‚Äď "arrependei-vos e crede". Sem arrependimento e f√© n√£o √© poss√≠vel tornar-se participante do Reino de Deus.


b) Paral√≠tico de Cafarnaum, Mt 9.2, "E Jesus, vendo a f√© deles, disse ao paral√≠tico: Filho, tem bom √Ęnimo, perdoados te s√£o os teus pecados". Ao ver aqueles quatro homens trazendo o paral√≠tico para ser curado, Jesus tocou no ponto mais importante da vida daquele homem ‚Äď seus pecados. De nada adiantaria a cura, se seus pecados n√£o fossem perdoados! O perd√£o de pecados s√≥ √© poss√≠vel atrav√©s da f√© e arrependimento.
 

c) Mulher Hemorr√°gica, Mt 9.22, "E Jesus, voltando-se, e vendo-a, disse: Tem √Ęnimo, filha, a tua f√© te salvou. E imediatamente a mulher ficou s√£". Aqui Jesus observou a grande f√© daquela mulher em desespero. Ela estava correndo atr√°s de sua cura h√° muitos anos! O seu toque nas vestes do Senhor revelou tamb√©m uma f√© para salva√ß√£o, da√≠ a palavra de Jesus: "...a tua f√© te salvou".
 

d) O leproso que voltou para agradecer a cura, Lc 17.19, "E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua f√© te salvou". O contexto desta passagem nos mostra dez leprosos que vieram ao encontro do Senhor, rogando a cura. Obedecendo aos princ√≠pios legais daquele tempo, Jesus os enviou aos sacerdotes para exame e constata√ß√£o, o que indo eles, ficaram devidamente curados. Um deles, ao voltar para agradecer, foi agraciado por Cristo com a salva√ß√£o, mediante a f√© ‚Äď "...a tua f√© te salvou".
 

4. Em todos os casos acima pudemos ver que, devido a f√© demonstrada pelos personagens envolvidos, Jesus lhes garantiu "perd√£o de pecados" e consequentemente a salva√ß√£o. Para alcan√ßarmos a salva√ß√£o n√£o basta nos interessarmos por ela fazendo perguntas. √Č imprescind√≠vel que abracemos a Cristo e a Palavra de Deus pela f√©, dispostos a nos arrepender de nossos pecados. Esta foi a mensagem dos ap√≥stolos: "Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrig√©rio pela presen√ßa do Senhor", At 3.19.
 

II. REVELOU SER UM EX√ćMIO RELIGIOSO, MAS N√ÉO UM CRIST√ÉO VERDADEIRO


1. Quando o jovem foi incentivado por Jesus a guardar os mandamentos, asseverou que os vinha guardando desde a sua mocidade. Sua conduta religiosa nos mostra claramente o quanto ele era preocupado com o destino de sua alma. Para tanto, procurava guardar os mandamentos instituídos pelo Senhor, através de Moisés.
 

2. Observe a lista de mandamentos citada pelo Senhor, e a afirmativa do jovem: "...N√£o matar√°s, n√£o cometer√°s adult√©rio, n√£o furtar√°s, n√£o dir√°s falso testemunho; Honra teu pai e tua m√£e, e amar√°s o teu pr√≥ximo como a ti mesmo ...Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade...", vs. 18-20. N√£o podemos acreditar que sua afirma√ß√£o fosse verdadeira, uma vez que ele, como qualquer ser humano, n√£o tinha condi√ß√Ķes de guardar literalmente os mandamentos. Por√©m tal fato nos mostra o quanto o mo√ßo era preocupado em agradar a Deus.
 

3. Cremos que h√° muitas pessoas que agem da mesma maneira que agiu este mo√ßo. Na √Ęnsia de agradarem a Deus, procuram praticar sua religi√£o com uma disposi√ß√£o incr√≠vel ‚Äď Dedicam-se a rituais, penit√™ncias, esmolas, etc., por√©m suas almas est√£o vazias de Deus!

O verdadeiro sentido da vida em Deus não é o fazer, mas o ser, embora como filhos de Deus devamos também praticar um cristianismo autêntico. Lembre-se: "...a fé sem obras é morta", Tg 2.26.
 

4. Vejamos alguns exemplos bíblicos:
 

a) Eunuco, "26 E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusal√©m para Gaza, que est√° deserta. 27 E levantou-se, e foi; e eis que um homem et√≠ope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos et√≠opes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusal√©m para adora√ß√£o, 28 Regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isa√≠as. 29 E disse o Esp√≠rito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro. 30 E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isa√≠as, e disse: Entendes tu o que l√™s? 31 E ele disse: Como poderei entender, se algu√©m n√£o me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. 32 E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como est√° mudo o cordeiro diante do que o tosquia, Assim n√£o abriu a sua boca. 33 Na sua humilha√ß√£o foi tirado o seu julgamento; E quem contar√° a sua gera√ß√£o? Porque a sua vida √© tirada da terra. 34 E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro? 35 Ent√£o Filipe, abrindo a sua boca, e come√ßando nesta Escritura, lhe anunciou a Jesus. 36 E, indo eles caminhando, chegaram ao p√© de alguma √°gua, e disse o eunuco: Eis aqui √°gua; que impede que eu seja batizado? 37 E disse Filipe: √Č l√≠cito, se cr√™s de todo o cora√ß√£o. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo √© o Filho de Deus", At 8.26-37.
 

- Temos neste exemplo a vida de um homem ‚Äď alto funcion√°rio de Candace, rainha dos et√≠opes, que preocupado com sua vida espiritual viera a Jerusal√©m adorar a Deus, por√©m sem um verdadeiro discernimento do que de fato era servir ao Deus Vivo.

Observe como Deus desviou Filipe de sua rota normal para mostrar ao homem o verdadeiro caminho para vida! Ao crer na Palavra de Deus, o eunuco p√īde ser batizado e continuar o retorno para sua casa "jubiloso", v. 39.
 

b) Corn√©lio, "1 E HAVIA em Cesar√©ia um homem por nome Corn√©lio, centuri√£o da coorte chamada italiana, 2 Piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de cont√≠nuo orava a Deus. 3 Este, quase √† hora nona do dia, viu claramente numa vis√£o um anjo de Deus, que se dirigia para ele e dizia: Corn√©lio. 4 O qual, fixando os olhos nele, e muito atemorizado, disse: Que √©, Senhor? E disse-lhe: As tuas ora√ß√Ķes e as tuas esmolas t√™m subido para mem√≥ria diante de Deus; 5 Agora, pois, envia homens a Jope, e manda chamar a Sim√£o, que tem por sobrenome Pedro. 6 Este est√° com um certo Sim√£o curtidor, que tem a sua casa junto do mar. Ele te dir√° o que deves fazer", At 10.1-6.
- Cornélio, como o próprio texto nos informa, era centurião da coorte chamada italiana, comandante de um exército de cem soldados romanos. Era um homem "...piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de contínuo orava a Deus", v. 2. Todavia, mesmo tendo um procedimento religioso exemplar, isso não bastava para que ele desfrutasse da salvação de Deus. Houve necessidade dele obedecer a instrução do anjo e ir ao encontro de Pedro, para que este lhe trouxesse a palavra da vida. Ao crer, juntamente com seus amigos e familiares, observe o que Lucas, o escritor de Atos, disse: "...caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra", v. 44. O comportamento de Pedro, não poderia ser outro: "...Pode alguém porventura recusar a água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo?" (v. 47).


4. Tanto o eunuco, como Cornélio foram pessoas que se destacaram através de uma excelente conduta religiosa, porém desprovida da verdadeira vida em Deus. Houve necessidade de que o Senhor providenciasse alguém que lhes trouxessem a verdade, para que pudessem receber a vida eterna. Não basta sermos religiosos, precisamos ser cristãos! Alguém só se torna um cristão de fato, ao obedecer as verdades da Palavra de Deus!
 
III. QUERIA A VIDA ETERNA, MAS ERA APEGADO ÀS COISAS MATERIAIS


1. Quando o moço, depois de dizer a Jesus que estava guardando os mandamentos, perguntou o que ainda lhe estava faltando, Jesus lhe disse: "...Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me" (v. 21). Todavia, a Palavra de Deus nos informa que ele "...ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades", v. 22.
 

2. Com certeza, os bens materiais acabam se tornando um grande impedimento para aqueles que desejam a vida eterna. No dizer de Jesus n√£o h√° como servir a Deus e ao mesmo tempo amar e servir as riquezas: "Ningu√©m pode servir a dois senhores; porque ou h√° de odiar um e amar o outro, ou se dedicar√° a um e desprezar√° o outro. N√£o podeis servir a Deus e a Mamom", Mt 6.24. Observe a palavra grega que aparece no original (mammwnav ‚Äď "mammonas"). Esta palavra tem a ver com "tesouros", "dinheiro", "riqueza personificada e oposta a Deus".
 

3. Vejamos como as Escrituras nos alertam em diferentes outros textos, como as riquezas e os bens materiais não nos trazem qualquer segurança, e ainda podem prejudicar nosso relacionamento com o Senhor:
 

a) As riquezas tornam a Palavra de Deus infrut√≠fera (Par√°bola do Semeador) - "E o que foi semeado entre espinhos √© o que ouve a palavra, mas os cuidados deste mundo, e a sedu√ß√£o das riquezas sufocam a palavra, e fica infrut√≠fera", Mt 13.22. Veja como as riquezas podem seduzir uma vida ao ponto de "sufocar a Palavra", tornando-a "infrut√≠fera". Quando recebemos a Palavra de Deus, precisamos dar condi√ß√Ķes para que ela possa trabalhar nossa vida, criando um ambiente onde somos aben√ßoados e ao mesmo tempo aben√ßoamos aqueles que est√£o ao nosso redor.
 

b) N√£o devemos depositar nossa esperan√ßa na incerteza das riquezas - "Manda aos ricos deste mundo que n√£o sejam altivos, nem ponham a esperan√ßa na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos d√° todas as coisas para delas gozarmos", 1 Tm 6.17. Muitos h√° que depositam toda sua confian√ßa nos bens materiais. Fazem de sua vida uma obsess√£o, onde a prioridade √© ajuntar riquezas que lhes possam trazer seguran√ßa e tranq√ľilidade. Por√©m, Deus nos alerta sobre o grande perigo de depositarmos nossa esperan√ßa na "incerteza das riquezas". Devemos sim, confiar em Deus que "...abundantemente nos d√° todas as coisas para delas gozarmos".
 

c) As riquezas podem ser apodrecidas e os bens materiais corro√≠dos ‚Äď "As vossas riquezas est√£o apodrecidas, e as vossas vestes est√£o comidas de tra√ßa", Tg 5.2. A palavra de Tiago √© contra alguns ricos de seu tempo que se achavam seguros, protegidos, pela quantidade de bens materiais que tinham acumulado. Ele os convoca a "chorar", "lamentar", porque havia o risco de serem atingidos por uma grande mis√©ria! O ouro e a prata que haviam ajuntado, seriam atingidos pela corros√£o, num testemunho contra suas pr√≥prias vidas, transformando a abund√Ęncia em caos!
 

4. Prevendo o risco de seus disc√≠pulos confiarem nas riquezas terrenas, Jesus asseverou: "19 N√£o ajunteis tesouros na terra, onde a tra√ßa e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladr√Ķes minam e roubam; 20 Mas ajuntai tesouros no c√©u, onde nem a tra√ßa nem a ferrugem consomem, e onde os ladr√Ķes n√£o minam nem roubam. 21 Porque onde estiver o vosso tesouro, a√≠ estar√° tamb√©m o vosso cora√ß√£o", Mt 6.19-21. N√£o √© errado possuir bens materiais, mas precisamos coloc√°-los no seu devido lugar!

1. Da mesma maneira que aquele mo√ßo, h√° muitos que se comportam como grandes religiosos. Contudo, a verdadeira vida de Deus est√° ausente neles! Querem uma religi√£o que satisfa√ßa o ego, mas optam por permanecer descompromissados com o Deus a quem servimos. O verdadeiro cristianismo envolve compromisso s√©rio, alian√ßa eterna. Se almejamos servir a Deus, precisamos estar dispostos a entregar at√© mesmo a pr√≥pria vida, se necess√°rio for, em troca dos valores do reino. √Č por esta raz√£o que Jesus disse: "Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perd√™-la-√°, e quem perder a sua vida por amor de mim, ach√°-la-√°", Mt 16.25.
 

2. Qualquer pessoa que esteja envolvida com os valores deste mundo e não estiver disposta a renunciá-los quando necessário, não será candidata ao reino de Deus. Lembre-se do que Paulo nos falou com relação à sua própria postura, em face dos bens mundanos: "E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo", Fp 3.8. Observe que Paulo deliberadamente renunciou "todas as coisas", para viver o seu amor a Cristo. Colocando numa balança os valores que podemos ajuntar neste mundo e os valores que recebemos do Senhor, podemos ser solidários com Paulo! Certamente, os valores mundanos são "escória", "esterco", "porcaria", etc..

 



www.casadosenhor.com.br
Salvar em PDF
Compartilhar

Estudos Bíblicos. Rádio Web Nova Vida - Bíblia Online

Minist√©rio Internacional Casa do Senhor. © 2003-2018 Todos os direitos reservados. ®