Quando Os Justos Triunfam, H√° Grande Alegria!

 

QUANDO OS JUSTOS TRIUNFAM, H√Ā GRANDE ALEGRIA!

 

"Quando os justos triunfam, h√° grande alegria; mas, quando os √≠mpios sobem, os homens escondem-se.‚ÄĚ (Prov√©rbios 28:12)

"E Esdras, o sacerdote, trouxe a lei perante a congregação, tanto de homens como de mulheres, e todos os que podiam ouvir com entendimento, no primeiro dia do sétimo mês. E leu no livro diante da praça, que está diante da porta das águas, desde a alva até ao meio dia, perante homens e mulheres, e os que podiam entender; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da lei.

E Esdras, o escriba, estava sobre um p√ļlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; e estava em p√© junto a ele, √† sua m√£o direita, Matitias, Sema, Ana√≠as, Urias, Hilquias e Maas√©ias; e √† sua m√£o esquerda, Peda√≠as, Misael, Melquias, Hasum, Hasbadana, Zacarias e Mesul√£o. E Esdras abriu o livro perante √† vista de todo o povo; porque estava acima de todo o povo; e, abrindo-o ele, todo o povo se p√īs em p√©. E Esdras louvou ao SENHOR, o grande Deus; e todo o povo respondeu: Am√©m, Am√©m! levantando as suas m√£os; e inclinaram suas cabe√ßas, e adoraram ao SENHOR, com os rostos em terra." (Neemias 8:2-6)


O p√ļlpito √© local para prega√ß√£o e explana√ß√£o da palavra de DEUS.

Como cidadãos do céu, os cristãos já têm seu representante legítimo, que é o Espírito Santo de Deus.

Como cidad√£os da terra.

Fp 4.3b Nomes no livro da vida com os outros cooperadores, cujos nomes est√£o no livro da vida.
Ap 3.5 O que vencer ser√° vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o
seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.
Ap 20.15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.
 

RISCAREI O SEU NOME

Fica claro que qualquer pessoa que experimenta o novo nascimento, mas que posteriormente deixa de perseverar na f√© e de viver vitoriosamente, ter√° seu nome tirado do livro da vida (ver 2.7 nota). Ter o nome apagado do livro da vida √© perder a pr√≥pria vida eterna (2.7,10,11) e ser finalmente lan√ßado no lago de fogo (20.15). √Č isso que o Esp√≠rito diz √†s igrejas (v. 6; 13.8; 17.8; 20.12; 21.17; cf. √äx 32.32).
Jo 1.12 Somos filhos de Deus
Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome,
                                                                                                                                                                                                                                                         FILHOS DE DEUS. O homem tem o poder -(o direito) de se tornar filho de Deus somente se crer no nome de Cristo. Quando ele o recebe, nasce de novo e é feito filho de Deus (3.1-21). Portanto, nem todas as pessoas são "filhos de Deus" no sentido bíblico.
Rm 8.17 Co-herdeiros de Cristo
E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.
 

O MESMO ESP√ćRITO TESTIFICA. O Esp√≠rito Santo nos transmite a confian√ßa de que, por Cristo e em Cristo, agora somos filhos de Deus (v. 15). Ele torna real a verdade de que Cristo nos amou, ainda nos ama e vive por n√≥s no c√©u, como nosso Mediador (cf. Hb 7.25). O Esp√≠rito tamb√©m nos revela que o Pai nos ama como seus filhos por ado√ß√£o, n√£o menos do que Ele ama seu Filho Unig√™nito (Jo 14.21,23; 17.23). Finalmente, o Esp√≠rito cria em n√≥s o amor e a confian√ßa que nos capacitam a lhe clamar: "Aba, Pai" (v. 15).
Tg 2.5 Ouvi, meus amados irmãos. Porventura, não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?


Fp 3.20 Nossa cidade está nos céus
Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,
¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† NOSSA CIDADE EST√Ā NOS C√ČUS. O termo "cidade" aqui (gr. politeuma) significa "cidadania" ou "p√°tria". Paulo ressalta que os crist√£os j√° n√£o s√£o cidad√£os deste mundo: tornaram-se estranhos e peregrinos na terra (Rm 8.22-24; Gl 4.26; Hb 11.13; 12.22,23; 13.14; 1 Pe 1.17; 2.11).
(1) No que diz respeito ao nosso comportamento, valores e orienta√ß√£o na vida, o c√©u √© agora a nossa cidade. Nascemos de novo (Jo 3.3); nossos nomes est√£o registrados nos livros do c√©u (4.3); nossa vida est√° orientada por padr√Ķes celestiais, e nossos direitos e heran√ßa est√£o reservados no c√©u.
(2) √Č para o c√©u que
nossas ora√ß√Ķes sobem (2 Cr 6.21; 30.27) e para onde nossa esperan√ßa est√° voltada. Muitos dos nossos amigos e familiares j√° est√£o l√°, e n√≥s tamb√©m estaremos ali dentro em breve. Jesus tamb√©m est√° ali, preparando-nos um lugar. Ele prometeu voltar e nos levar para junto dEle (ver Jo 14.2,3; cf. Jo 3.3; 14.1-4; Rm 8.17; Ef 2.6; Cl 3.1-3; Hb 6.19,20; 12.22-24; 1 Pe 1.4,5; Ap
7.9-17). Por essas raz√Ķes, desejamos profundamente uma cidade melhor, ou seja: a cidade celestial. Por isso, Deus n√£o se envergonha de ser chamado nosso Deus, e Ele j√° nos preparou uma cidade eterna (Hb 11.16)
 

Gl 6.10 Fazer bem aos domésticos da fé
Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.
¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† REPARTA COM AQUELE. √Č dever de todos que recebem o ensino da Palavra de Deus ajudar a sustentar materialmente √†queles que lhes ensinam a Palavra (1 Co 9.14; 1 Tm 5.18).

Dentre os que são dignos desse sustento estão os fiéis pastores, obreiros, mestres, evangelistas e missionários (1 Co 9.14; 3 Jo 6-8). Deixar de prover seu sustento, quando há recursos disponíveis, é semear egoísmo na carne e ceifar a corrupção (vv. 7-9). Dar àqueles que ministram a Palavra faz parte do cumprimento desta ordem: "fazei bem aos domésticos da fé" (v. 10); "porque a seu tempo ceifaremos" (v. 9), tanto o galardão (Mt 10.41,42) como a vida eterna (v. 8).


ROMANOS 8.17= E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.

HEBREUS 11.13= Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas, mas, vendo-as de longe, e crendo nelas, e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.
 

PORQUE ESPERAVA A CIDADE. Abraão sabia que a terra que lhe fora prometida, aqui no mundo, não era o fim da sua jornada. Pelo contrário, o fim era bem além, na cidade celestial, que Deus preparara para seus servos fiéis. Abraão serve de exemplo a todo o povo de Deus; devemos reconhecer que estamos apenas de passagem neste mundo, caminhando para nosso verdadeiro lar no céu. Não devemos pensar em segurança plena neste mundo, nem ficar fascinados por ele (vv. 14,16; 13.14). Devemos nos considerar estrangeiros e exilados na terra. Esta não é a nossa pátria, mas território estrangeiro; o fim da nossa peregrinação será uma pátria melhor (v.16), a "Jerusalém celestial" (12.22) e a "cidade permanente" (13.14).
 

SEM TEREM RECEBIDO AS PROMESSAS. Estes santos do AT morreram, crendo que Deus tinha algo melhor reservado para eles. Durante a sua vida, não viram a prometida bênção final dos redimidos. Sua esperança estava firmada na vida eterna com Deus, numa pátria celestial e tinham seus olhos fixos na sua cidadania no novo céu e na nova terra (vv. 13-16; cf. Is 65.17; 66.22; Fp 3.20; Ap 21.1). Os crentes, em nossos dias, da mesma forma, devem perseverar na fé e confiar em Deus, mesmo quando não vêem todas as promessas de Deus cumpridas em suas vidas. A fé que Deus aprova é aquela que pode deixar nas suas mãos as suas promessas, para Ele as cumprir segundo a sua vontade.


1. Pol√≠tica. ‚ÄúO voc√°bulo pol√≠tica vem do grego, polis, ‚Äėcidade‚Äô. A pol√≠tica, pois, procura determinar a conduta ideal do Estado, pelo que seria uma √©tica social.

SOMOS UMA IGREJA MAIS PROPENSA A SENTIR DO QUE A PENSAR
. Crise da √©ticaA chegada de pol√≠ticos evang√©licos a cargos p√ļblicos n√£o far√° diferen√ßa na √©tica pol√≠tica do pa√≠s, pois o universo pol√≠tico evang√©lico n√£o constitui, pelo menos por enquanto, uma refer√™ncia √©tica para a sociedade. Basta ver que, nos √ļltimos anos, o envolvimento da maioria dos evang√©licos com a pol√≠tica produziu mais males do que benef√≠cios. A pr√≥pria CPI do or√ßamento revelou o triste fato de deputados e organiza√ß√Ķes evang√©licas roubando o tesouro p√ļblico. V√°rios pol√≠ticos evang√©licos sucumbiram aos subornos, mentiram, venderam votos e tornaram-se assunto de piada por parte dos incr√©dulos. Creio que a crise da √©tica vivida por grande parte da igreja atualmente exige de seus l√≠deres respostas e a√ß√Ķes urgentes. Muitos jovens evang√©licos colam nas escolas e acham que n√£o h√° nenhum problema em faz√™-lo. Conhe√ßo pastores que, quando algu√©m liga para sua casa, instruem os filhos a dizer no telefone que o pai n√£o est√°, ensinando-os a mentir. Basta ir √†s livrarias evang√©licas para constatar o grande n√ļmero de cheques sem fundos emitidos por crentes. Como vamos ensinar aos pol√≠ticos brasileiros algo que n√£o praticamos? Sei que h√°, pelo Brasil afora, l√≠deres evang√©licos e crist√£os sinceros, mas n√£o s√£o a maioria e nem ganham visibilidade. Infelizmente, os que aparecem n√£o representam a melhor parte do mundo evang√©lico. A igreja precisa, com urg√™ncia, colocar o ensino e a pr√°tica da √©tica b√≠blica na sua agenda de prioridades. Ensinar e viver a √©tica crist√£ √© o caminho a ser percorrido por n√≥s, se quisermos, de fato, ser o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5: 1 3-16). Lamentavelmente, a atual √©tica pol√≠tica evang√©lica representa um retrato negativo, oposto ao que devemos ser enquanto cidad√£os e crist√£os evang√©licos. Paulo Romeiro - Jornalista, mestre em Teologia pelo Gordon-Conwell Theological Seminary e presidente da Ag√™ncia de Informa√ß√Ķes Religiosas.


O CRIST√ÉO COMO CIDAD√ÉO DOS C√ČUS
1. Nascidos de novo.
Registrados no livro da vida; o propósito de Deus é livrar os que pertencem ao seu povo, cujos nomes estão escritos "no livro" (i.e., no "livro da vida", ver Fp 4.3; Ap 3.5; 21.27). Esses colocaram sua fé, em definitivo, em Jesus como seu Messias, Salvador e Senhor.
1 Pe 1.2 eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: graça e paz vos sejam multiplicadas. Rm 11.7; Cl 3.12; 1 Tm 5.21; Tt 1.1; Ap 17.14

2. Nossa pátria está nos céus.
Hb 11.14 Porque os que isso dizem claramente mostram que buscam uma pátria. 15 E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar. 16 Mas, agora, desejam uma melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha deles, ode se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.
SEM TEREM RECEBIDO AS PROMESSAS. Estes santos do AT morreram, crendo que Deus tinha algo melhor reservado para eles. Durante a sua vida, não viram a prometida bênção final dos redimidos. Sua esperança estava firmada na vida eterna com Deus, numa pátria celestial e tinham seus olhos fixos na sua cidadania no novo céu e na nova terra (vv. 13-16; cf. Is 65.17; 66.22; Fp 3.20; Ap 21.1). Os crentes, em nossos dias, da mesma forma, devem perseverar na fé e confiar em Deus, mesmo quando não vêem todas as promessas de Deus cumpridas em suas vidas. A fé que Deus aprova é aquela que pode deixar nas suas mãos as suas promessas, para Ele as cumprir segundo a sua vontade.

3. Não temos permanência aqui.
Jo 15.19 Se v√≥s f√īsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque n√£o sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso √© que o mundo vos aborrece.
TAMB√ČM VOS PERSEGUIR√ÉO. Enquanto os seguidores de Cristo estiverem neste mundo, ser√£o odiados, perseguidos, caluniados e rejeitados por amor a Ele. O mundo √© o grande opositor de Cristo e do seu povo no decurso da hist√≥ria.
(1) O verdadeiro crente deve compreender que o mundo - inclusive as falsas igrejas e organiza√ß√Ķes religiosas - sempre se opor√° a Deus e aos princ√≠pios do seu reino; assim, o mundo continuar√° sendo at√© ao fim, o inimigo e perseguidor dos crentes fi√©is (Tg 4.4; ver Mt 5.10).
(2) A raz√£o por que os crentes sofrem √© por serem basicamente diferentes; n√£o s√£o do mundo e foram escolhidos do meio "do mundo" (v. 19). Os valores, padr√Ķes e modo de viver dos fi√©is, entram em conflito com os m√©todos in√≠quos da sociedade perversa em meio √† qual vivem. Recusam qualquer transig√™ncia com os padr√Ķes √≠mpios, e, em contr√°rio a isso, apegam-se √†s "coisas que s√£o de cima e n√£o nas que s√£o da terra" (Cl 3.2).


Ef 1.4 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo,
para que f√īssemos santos e irrepreens√≠veis diante dele em caridade,

ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO
Ef 1.4,5 ‚ÄúComo tamb√©m nos elegeu nele antes da funda√ß√£o do mundo, para que f√īssemos santos e irrepreens√≠veis diante dele em caridade, e nos predestinou para filhos de ado√ß√£o por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o benepl√°cito de sua vontade.‚ÄĚ
 

ELEIÇÃO. A escolha por Deus daqueles que crêem em Cristo é uma doutrina importante (ver Rm 8.29-33; 9.6-26; 11.5, 7, 28; Cl 3.12; 1Ts 1.4; 2Ts 2.13; Tt 1.1). A eleição (gr. eklegoe) refere-se à escolha feita por Deus, em Cristo, de um povo para si mesmo, a fim de que sejam santos e inculpáveis diante dEle (cf. 2Ts 2.13). Essa eleição é uma expressão do amor de Deus, que recebe como seus todos os que recebem seu Filho Jesus (Jo 1.12). A doutrina da eleição abarca as seguintes verdades:
 

(1) A elei√ß√£o √© cristoc√™ntrica, i.e., a elei√ß√£o de pessoas ocorre somente em uni√£o com Jesus Cristo. Deus nos elegeu em Cristo para a salva√ß√£o (1.4; ver v. 1, nota). O pr√≥prio Cristo √© o primeiro de todos os eleitos de Deus. A respeito de Jesus, Deus declara: ‚ÄúEis aqui o meu servo, que escolhi‚ÄĚ (Mt
12.18; cf. Is 42.1,6; 1Pe 2.4). Ninguém é eleito sem estar unido a Cristo pela fé.
 

(2) A elei√ß√£o √© feita em Cristo, pelo seu sangue; ‚Äúem quem [Cristo]... pelo seu sangue‚ÄĚ (1.7). O prop√≥sito de Deus, j√° antes da cria√ß√£o (1.4), era ter um povo para si mediante a morte redentora de Cristo na cruz. Sendo assim, a elei√ß√£o √© fundamentada na morte sacrificial de Cristo, no Calv√°rio, para nos salvar dos nossos pecados (At 20.28; Rm 3.24-26).
 

(3) A elei√ß√£o em Cristo √© em primeiro lugar coletiva, i.e., a elei√ß√£o de um povo (1.4,5, 7, 9; 1Pe 1.1; 2.9). Os eleitos s√£o chamados ‚Äúo seu [Cristo] corpo‚ÄĚ (1.23; 4.12), ‚Äúminha igreja‚ÄĚ (Mt 16.18), o ‚Äúpovo adquirido‚ÄĚ por Deus (1Pe 2.9) e a ‚Äúnoiva‚ÄĚ de Cristo (Ap 21.9). Logo, a elei√ß√£o √© coletiva e abrange o ser humano como indiv√≠duo, somente √† medida que este se identifica e se une ao corpo de Cristo, a igreja verdadeira (1.22,23; ver Robert Shank, Elect in the Son (Eleitos no Filho). √Č uma elei√ß√£o como a de Israel no AT (ver Dt 29.18-21; 2Rs 21.14).
 

(4) A eleição para a salvação e a santidade do corpo de Cristo são inalteráveis. Mas individualmente a certeza dessa eleição depende da condição da fé pessoal e viva em Jesus Cristo, e da perseverança na união com Ele. O apóstolo Paulo demonstra esse fato da seguinte maneira:

(a) Oprop√≥sito eterno de Deus para a igreja √© que sejamos ‚Äúsantos e irrepreens√≠veis diante dele‚ÄĚ (1.4). Isso se refere tanto ao perd√£o dos pecados (1.7) como √† santifica√ß√£o e santidade. O povo eleito de Deus est√° sendo conduzido pelo Esp√≠rito Santo em dire√ß√£o √† santifica√ß√£o e √† santidade (ver Rm 8.14; Gl 5.16-25). O ap√≥stolo enfatiza repetidas vezes o prop√≥sito supremo de Deus (ver 2.10; 3.14-19; 4.1-3, 13,14; 5.1-18).

(b) O cumprimento desse prop√≥sito para a igreja como corpo n√£o falhar√°: Cristo a apresentar√° ‚Äúa si mesmo igreja gloriosa... santa e irrepreens√≠vel‚ÄĚ (5.27). (c) O cumprimento desse prop√≥sito para o crente como indiv√≠duo dentro da igreja √© condicional. Cristo nos apresentar√° ‚Äúsantos e irrepreens√≠veis diante dele‚ÄĚ (1.4), somente se continuarmos na f√©. A B√≠blia mostra isso claramente: Cristo ir√° ‚Äúvos apresentar santos, e irrepreens√≠veis, e inculp√°veis, se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na f√© e n√£o vos moverdes da esperan√ßa do evangelho‚ÄĚ (Cl 1.22,23).
 

(5) A eleição para a salvação em Cristo é oferecida a todos (Jo 3.16,17; 1Tm 2.4-6; Tt 2.11; Hb 2.9), e torna-se uma realidade para cada pessoa consoante seu prévio arrependimento e fé, ao aceitar o dom da salvação em Cristo (2.8; 3.17; cf. At 20.21; Rm 1.16; 4.16). Mediante a fé, o Espírito Santo admite o crente ao corpo eleito de Cristo (a igreja) (1 Co 12.13), e assim ele torna-se um dos eleitos. Daí, tanto Deus quanto o homem têm responsabilidade na eleição (ver Rm 8.29 nota; 2Pe 1.1-11).
 

A PREDESTINA√á√ÉO. A predestina√ß√£o (gr. proorizo) significa ‚Äúdecidir de antem√£o‚ÄĚ e se aplica aos prop√≥sitos de Deus inclusos na elei√ß√£o. A elei√ß√£o √© a escolha feita por Deus, ‚Äúem Cristo‚ÄĚ, de um povo para si mesmo (a igreja verdadeira). A predestina√ß√£o abrange o que acontecer√° ao povo de Deus (todos os crentes genu√≠nos em Cristo).
 

(1) Deus predestina seus eleitos a serem: (a) chamados (Rm 8.30); (b)justificados (Rm 3.24; 8.30); (c) glorificados (Rm 8.30); (d) conformados à imagem do Filho (Rm 8.29); (e) santos e inculpáveis (1.4); (f) adotados como filhos (1.5); (g) redimidos (1.7); (h) participantes de uma herança (1.14); (i) para o louvor da sua glória (1.12; 1Pe 2.9); (j) participantes do Espírito Santo (1.13; Gl 3.14); e (l) criados em Cristo Jesus para boas obras (2.10).
 

(2) A predestinação, assim como a eleição, refere-se ao corpo coletivo de Cristo (i.e., a verdadeira igreja), e abrange indivíduos somente quando inclusos neste corpo mediante a fé viva em Jesus Cristo (1.5, 7, 13; cf. At 2.38-41; 16.31).
 

RESUMO. No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio viajando para o céu. Deus escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau. Cristo é o Capitão e Piloto desse navio. Todos os que desejam estar nesse navio eleito, podem fazê-lo mediante a fé viva em Cristo. Enquanto permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão, estarão entre os eleitos. Caso alguém abandone o navio e o seu Capitão, deixará de ser um dos eleitos. A predestinação concerne ao destino do navio e ao que Deus preparou para quem nele permanece. Deus convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante Jesus Cristo.

QUESTION√ĀRIO
1- Por que os Cristãos não têem sido bem sucedidos na política?
2- Na política divina quem são os já eleitos que estão inscritos no livro da vida?
3- Onde est√° nossa verdadeira p√°tria?
4- Qual a verdadeira cidadania do crente?
5- Em qual atividade aqui na terra podemos dizer que existe realmente corrupção?
6- Os cristãos podem votar e serem votados de acordo com a lei vigente em nosso país?
7- Na hora de votar o crist√£o deve exercer seu direito de cidad√£o da ___________________.
8- Antes de votar o crente deve saber a vontade de DEUS pela ________________________.
9. Que recomenda Gl 6.10?


POL√ćTICA, ISSO √Č COISA PARA CRIST√ÉOS?
N√ďS, OS EVANG√ČLICOS PRECISAMOS ENTENDER QUE FOMOS ESCOLHIDOS DENTRE TANTOS, PELO PR√ďPRIO SENHOR JESUS CRISTO (Jo 15.16), N√ÉO PARA PREGAR O REINO MUNDANO E NEM ESTAMOS AQUI PARA REPRESENTAR-NOS A N√ďS MESMOS OU AO POVO EVANG√ČLICO. N√ďS N√ÉO QUEREMOS NENHUM CORRUPTO, OU MERCEN√ĀRIO, OU DESVIADO NOS REPRESENTANDO E MANCHANDO O NOME DE NOSSO SENHOR E MESTRE JESUS CRISTO QUE SENDO EM FORMA DE DEUS HUMILHOU-SE A SI MESMO,TOMANDO A FORMA DE HOMEM.
¬Ľ FILIPENSES [2.1-9; 15]
1 Portanto, se h√° alguma exorta√ß√£o em Cristo, se alguma consola√ß√£o de amor, se alguma comunh√£o do Esp√≠rito, se alguns entranh√°veis afetos e compaix√Ķes,
2 completai o meu gozo, para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo √Ęnimo, pensando a mesma coisa;
3 nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo;
4 não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
5 Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 o qual, subsistindo em forma de Deus, n√£o considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar,
7 mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens;
8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.
9 Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome;

15 para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo,
16 retendo a palavra da vida; para que no dia de Cristo eu tenha motivo de gloriar-me de que n√£o foi em v√£o que corri nem em v√£o que trabalhei.
 

FOMOS CHAMADOS PARA PREGAR O EVANGELHO DO REINO DE DEUS, DO C√ČU.
Jo 18.36 Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; entretanto o meu reino não é daqui.
 

QUEM REPRESENTA OS EVANG√ČLICOS DIANTE DO MUNDO √Č JESUS CRISTO DE NAZAR√Č.
Vejamos como o mundo olha para JESUS:
¬Ľ ISA√≠AS [53]
2 Pois foi crescendo como renovo perante ele, e como raiz que sai duma terra seca; não tinha formosura nem beleza; e quando olhávamos para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.
3 Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e n√£o fizemos dele caso algum.

A CRUZ √Č LOUCURA PARA O MUNDO, POIS REPRESENTA A VIDA SIMPLES E HUMILDE (SOFRIMENTO, ANG√öSTIA, DOR, L√ĀGRIMAS PELOS QUE PERECEM EM SEUS DESEJOS CARNAIS DE SENSUALIDADE E RIQUEZAS)
¬Ľ I CORINTIOS [1]
18 Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.

O EVANG√ČLICO QUE ENTRA NA POL√ćTICA EST√Ā BUSCANDO GL√ďRIA E RIQUEZA AQUI.
MATEUS 16 26 Pois que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida? ou que dar√° o homem em troca da sua vida?
NO NOVO TESTAMENTO, QUE √Č O NOSSO CASO, N√ÉO TEMOS EXEMPLO DE ALGUM SERVO DE DEUS SER POL√ćTICO, TEMOS EXEMPLO DE POL√ćTICO ACEITANDO A JESUS CRISTO COMO SENHOR E SALVADOR DE SUAS VIDAS, MAS COM A PERSEGUI√á√ÉO QUE SE SEGUIU A TODOS OS CRIST√ÉOS, DUVIDO QUE ALGUM DELES PERMANECEU POL√ćTICO.
MARCOS 15.43 Jos√© de Arimat√©ia, ilustre membro do sin√©drio, que tamb√©m esperava o reino de Deus, cobrando √Ęnimo foi a Pilatos e pediu o corpo de Jesus.
ATOS 8.1 Naquele dia levantou-se grande persegui√ß√£o contra a igreja que estava em Jerusal√©m; e todos exceto os ap√≥stolos, foram dispersos pelas regi√Ķes da Jud√©ia e da Sam√°ria.
 

N√ÉO TEMOS NENHUM CASO DE CRENTES SE CANDIDATANDO A CARGO POL√ćTICO NA B√ćBLIA E MUITO MENOS ALGU√ČM SE ENRIQUECENDO COM O EVANGELHO NO NOVO TESTAMENTO, ANTES FORAM PERSEGUIDOS E MALTRATADOS PELOS TAIS.
TIAGO 2.6 Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não são os ricos os que vos oprimem e os que vos arrastam aos tribunais?
¬Ľ HEBREUS [11]
32 E que mais direi? Pois me faltará o tempo, se eu contar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas;
33 os quais por meio da f√© venceram reinos, praticaram a justi√ßa, alcan√ßaram promessas, fecharam a boca dos le√Ķes,
34 apagaram a força do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram forças, tornaram-se poderosos na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros.
35 As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição;
36 e outros experimentaram esc√°rnios e a√ßoites, e ainda cadeias e pris√Ķes.
37 Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao meio; morreram ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados
38 (dos quais o mundo n√£o era digno), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra.
39 E todos estes, embora tendo recebido bom testemunho pela fé, contudo não alcançaram a promessa;
40 visto que Deus provera alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.

√Č PRECISO QUE AQUELE QUE INSISTIR EM ENTRAR NA POL√ćTICA SEJA CONSIDERADO COMO ID√ďLATRA.
1 Tm 6.10 Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
Ef 5.5 Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus.
 

NINGU√ČM PODE TER DOIS SENHORES
Mt 6.24 Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.
 

E QUEM QUER SEGUIR A CRISTO TEM QUE DEIXAR JESUS CRISTO APARECER E N√ÉO A SI PR√ďPRIO.
Mt 16.24 Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me;
 

O EVANGELHO √Č MORRER PARA O MUNDO E VIVER PARA DEUS. N√ÉO DEVEMOS NOS COLOCAR EM JULGO DESIGUAL COM OS INFI√ČIS (QUEM COMANDA O CRENTE POL√ćTICO N√ÉO √Č JESUS, √Č O PARTIDO)
2 Co 6.14 14 Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas? 15 Que harmonia há entre Cristo e Belial? ou que parte tem o crente com o incrédulo? 16 E que consenso tem o santuário de Deus com ídolos? Pois nós somos santuário de Deus vivo, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 17 Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei; 18 e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
 

Quando os justos triunfam, h√° grande alegria; mas, quando os √≠mpios sobem, os homens escondem-se‚ÄĚ (Pv 28.12).

Ne 8.2 E Esdras, sacerdote, trouxe a Lei perante a congrega√ß√£o, assim de homens como de mulheres e de todos os entendidos para ouvirem, no primeiro dia do s√©timo m√™s.3 E leu nela, diante da pra√ßa, que est√° diante da Porta das √Āguas, desde a alva at√© ao meio-dia, perante homens, e mulheres, e entendidos; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei. 4 E Esdras, o escriba, estava sobre um p√ļlpito de madeira, que fizeram para aquele fim; e estavam em p√© junto a ele, √† sua m√£o direita, Matitias, e Sema, e Ana√≠as, e Urias, e Hilquias, e Maas√©ias; e √† sua m√£o esquerda, Peda√≠as, e Misael, e Malquias, e Hasum, e Hasbadana, e Zacarias, e Mesul√£o.
O p√ļlpito √© local para prega√ß√£o e explana√ß√£o da palavra de DEUS.

VERDADE PR√ĀTICA: Como cidad√£os do c√©u, os crist√£os j√° t√™m seu representante leg√≠timo, que √© o Esp√≠rito Santo de Deus. Como
cidad√£os da terra.

Fp 4.3b Nomes no livro da vida com os outros cooperadores, cujos nomes est√£o no livro da vida.
Ap 3.5 O que vencer ser√° vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o
seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.
Ap 20.15 E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.
 
RISCAREI O SEU NOME. Fica claro que qualquer pessoa que experimenta o novo nascimento, mas que posteriormente deixa de perseverar na f√© e de viver vitoriosamente, ter√° seu nome tirado do livro da vida (ver 2.7 nota). Ter o nome apagado do livro da vida √© perder a pr√≥pria vida eterna (2.7,10,11) e ser finalmente lan√ßado no lago de fogo (20.15). √Č isso que o Esp√≠rito diz √†s igrejas (v. 6; 13.8; 17.8; 20.12; 21.17; cf. √äx 32.32).
Jo 1.12 Somos filhos de Deus
Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome,
                                                                                                                                                                                                                                                         FILHOS DE DEUS. O homem tem o poder -(o direito) de se tornar filho de Deus somente se crer no nome de Cristo. Quando ele o recebe, nasce de novo e é feito filho de Deus (3.1-21). Portanto, nem todas as pessoas são "filhos de Deus" no sentido bíblico.
Rm 8.17 Co-herdeiros de Cristo
E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.
 
O MESMO ESP√ćRITO TESTIFICA. O Esp√≠rito Santo nos transmite a confian√ßa de que, por Cristo e em Cristo, agora somos filhos de Deus (v. 15). Ele torna real a verdade de que Cristo nos amou, ainda nos ama e vive por n√≥s no c√©u, como nosso Mediador (cf. Hb 7.25). O Esp√≠rito tamb√©m nos revela que o Pai nos ama como seus filhos por ado√ß√£o, n√£o menos do que Ele ama seu Filho Unig√™nito (Jo 14.21,23; 17.23). Finalmente, o Esp√≠rito cria em n√≥s o amor e a confian√ßa que nos capacitam a lhe clamar: "Aba, Pai" (v. 15).
Tg 2.5 Ouvi, meus amados irmãos. Porventura, não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?


Fp 3.20 Nossa cidade está nos céus
Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,
¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† NOSSA CIDADE EST√Ā NOS C√ČUS. O termo "cidade" aqui (gr. politeuma) significa "cidadania" ou "p√°tria". Paulo ressalta que os crist√£os j√° n√£o s√£o cidad√£os deste mundo: tornaram-se estranhos e peregrinos na terra (Rm 8.22-24; Gl 4.26; Hb 11.13; 12.22,23; 13.14; 1 Pe 1.17; 2.11).
(1) No que diz respeito ao nosso comportamento, valores e orienta√ß√£o na vida, o c√©u √© agora a nossa cidade. Nascemos de novo (Jo 3.3); nossos nomes est√£o registrados nos livros do c√©u (4.3); nossa vida est√° orientada por padr√Ķes celestiais, e nossos direitos e heran√ßa est√£o reservados no c√©u.
(2) √Č para o c√©u que
nossas ora√ß√Ķes sobem (2 Cr 6.21; 30.27) e para onde nossa esperan√ßa est√° voltada. Muitos dos nossos amigos e familiares j√° est√£o l√°, e n√≥s tamb√©m estaremos ali dentro em breve. Jesus tamb√©m est√° ali, preparando-nos um lugar. Ele prometeu voltar e nos levar para junto dEle (ver Jo 14.2,3; cf. Jo 3.3; 14.1-4; Rm 8.17; Ef 2.6; Cl 3.1-3; Hb 6.19,20; 12.22-24; 1 Pe 1.4,5; Ap
7.9-17). Por essas raz√Ķes, desejamos profundamente uma cidade melhor, ou seja: a cidade celestial. Por isso, Deus n√£o se envergonha de ser chamado nosso Deus, e Ele j√° nos preparou uma cidade eterna (Hb 11.16)
 
Gl 6.10 Fazer bem aos domésticos da fé
Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.
¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† REPARTA COM AQUELE. √Č dever de todos que recebem o ensino da Palavra de Deus ajudar a sustentar materialmente √†queles que lhes ensinam a Palavra (1 Co 9.14; 1 Tm 5.18).
Dentre os que são dignos desse sustento estão os fiéis pastores, obreiros, mestres, evangelistas e missionários (1 Co 9.14; 3 Jo 6-8). Deixar de prover seu sustento, quando há recursos disponíveis, é semear egoísmo na carne e ceifar a corrupção (vv. 7-9). Dar àqueles que ministram a Palavra faz parte do cumprimento desta ordem: "fazei bem aos domésticos da fé" (v. 10); "porque a seu tempo ceifaremos" (v. 9), tanto o galardão (Mt 10.41,42) como a vida eterna (v. 8).


ROMANOS 8.17= E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.

HEBREUS 11.13= Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas, mas, vendo-as de longe, e crendo nelas, e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.
 
PORQUE ESPERAVA A CIDADE. Abraão sabia que a terra que lhe fora prometida, aqui no mundo, não era o fim da sua jornada. Pelo contrário, o fim era bem além, na cidade celestial, que Deus preparara para seus servos fiéis. Abraão serve de exemplo a todo o povo de Deus; devemos reconhecer que estamos apenas de passagem neste mundo, caminhando para nosso verdadeiro lar no céu. Não devemos pensar em segurança plena neste mundo, nem ficar fascinados por ele (vv. 14,16; 13.14). Devemos nos considerar estrangeiros e exilados na terra. Esta não é a nossa pátria, mas território estrangeiro; o fim da nossa peregrinação será uma pátria melhor (v.16), a "Jerusalém celestial" (12.22) e a "cidade permanente" (13.14).
 
SEM TEREM RECEBIDO AS PROMESSAS. Estes santos do AT morreram, crendo que Deus tinha algo melhor reservado para eles. Durante a sua vida, não viram a prometida bênção final dos redimidos. Sua esperança estava firmada na vida eterna com Deus, numa pátria celestial e tinham seus olhos fixos na sua cidadania no novo céu e na nova terra (vv. 13-16; cf. Is 65.17; 66.22; Fp 3.20; Ap 21.1). Os crentes, em nossos dias, da mesma forma, devem perseverar na fé e confiar em Deus, mesmo quando não vêem todas as promessas de Deus cumpridas em suas vidas. A fé que Deus aprova é aquela que pode deixar nas suas mãos as suas promessas, para Ele as cumprir segundo a sua vontade.


1. Pol√≠tica. ‚ÄúO voc√°bulo pol√≠tica vem do grego, polis, ‚Äėcidade‚Äô. A pol√≠tica, pois, procura determinar a conduta ideal do Estado, pelo que seria uma √©tica social.

SOMOS UMA IGREJA MAIS PROPENSA A SENTIR DO QUE A PENSAR
. Crise da √©ticaA chegada de pol√≠ticos evang√©licos a cargos p√ļblicos n√£o far√° diferen√ßa na √©tica pol√≠tica do pa√≠s, pois o universo pol√≠tico evang√©lico n√£o constitui, pelo menos por enquanto, uma refer√™ncia √©tica para a sociedade. Basta ver que, nos √ļltimos anos, o envolvimento da maioria dos evang√©licos com a pol√≠tica produziu mais males do que benef√≠cios. A pr√≥pria CPI do or√ßamento revelou o triste fato de deputados e organiza√ß√Ķes evang√©licas roubando o tesouro p√ļblico. V√°rios pol√≠ticos evang√©licos sucumbiram aos subornos, mentiram, venderam votos e tornaram-se assunto de piada por parte dos incr√©dulos. Creio que a crise da √©tica vivida por grande parte da igreja atualmente exige de seus l√≠deres respostas e a√ß√Ķes urgentes. Muitos jovens evang√©licos colam nas escolas e acham que n√£o h√° nenhum problema em faz√™-lo. Conhe√ßo pastores que, quando algu√©m liga para sua casa, instruem os filhos a dizer no telefone que o pai n√£o est√°, ensinando-os a mentir. Basta ir √†s livrarias evang√©licas para constatar o grande n√ļmero de cheques sem fundos emitidos por crentes. Como vamos ensinar aos pol√≠ticos brasileiros algo que n√£o praticamos? Sei que h√°, pelo Brasil afora, l√≠deres evang√©licos e crist√£os sinceros, mas n√£o s√£o a maioria e nem ganham visibilidade. Infelizmente, os que aparecem n√£o representam a melhor parte do mundo evang√©lico. A igreja precisa, com urg√™ncia, colocar o ensino e a pr√°tica da √©tica b√≠blica na sua agenda de prioridades. Ensinar e viver a √©tica crist√£ √© o caminho a ser percorrido por n√≥s, se quisermos, de fato, ser o sal da terra e a luz do mundo (Mt 5: 1 3-16). Lamentavelmente, a atual √©tica pol√≠tica evang√©lica representa um retrato negativo, oposto ao que devemos ser enquanto cidad√£os e crist√£os evang√©licos. Paulo Romeiro - Jornalista, mestre em Teologia pelo Gordon-Conwell Theological Seminary e presidente da Ag√™ncia de Informa√ß√Ķes Religiosas.


O CRIST√ÉO COMO CIDAD√ÉO DOS C√ČUS
1. Nascidos de novo.
Registrados no livro da vida; o propósito de Deus é livrar os que pertencem ao seu povo, cujos nomes estão escritos "no livro" (i.e., no "livro da vida", ver Fp 4.3; Ap 3.5; 21.27). Esses colocaram sua fé, em definitivo, em Jesus como seu Messias, Salvador e Senhor.
1 Pe 1.2 eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: graça e paz vos sejam multiplicadas. Rm 11.7; Cl 3.12; 1 Tm 5.21; Tt 1.1; Ap 17.14

2. Nossa pátria está nos céus.
Hb 11.14 Porque os que isso dizem claramente mostram que buscam uma pátria. 15 E se, na verdade, se lembrassem daquela de onde haviam saído, teriam oportunidade de tornar. 16 Mas, agora, desejam uma melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha deles, ode se chamar seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade.
SEM TEREM RECEBIDO AS PROMESSAS. Estes santos do AT morreram, crendo que Deus tinha algo melhor reservado para eles. Durante a sua vida, não viram a prometida bênção final dos redimidos. Sua esperança estava firmada na vida eterna com Deus, numa pátria celestial e tinham seus olhos fixos na sua cidadania no novo céu e na nova terra (vv. 13-16; cf. Is 65.17; 66.22; Fp 3.20; Ap 21.1). Os crentes, em nossos dias, da mesma forma, devem perseverar na fé e confiar em Deus, mesmo quando não vêem todas as promessas de Deus cumpridas em suas vidas. A fé que Deus aprova é aquela que pode deixar nas suas mãos as suas promessas, para Ele as cumprir segundo a sua vontade.

3. Não temos permanência aqui.
Jo 15.19 Se v√≥s f√īsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque n√£o sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso √© que o mundo vos aborrece.
TAMB√ČM VOS PERSEGUIR√ÉO. Enquanto os seguidores de Cristo estiverem neste mundo, ser√£o odiados, perseguidos, caluniados e rejeitados por amor a Ele. O mundo √© o grande opositor de Cristo e do seu povo no decurso da hist√≥ria.
(1) O verdadeiro crente deve compreender que o mundo - inclusive as falsas igrejas e organiza√ß√Ķes religiosas - sempre se opor√° a Deus e aos princ√≠pios do seu reino; assim, o mundo continuar√° sendo at√© ao fim, o inimigo e perseguidor dos crentes fi√©is (Tg 4.4; ver Mt 5.10).
(2) A raz√£o por que os crentes sofrem √© por serem basicamente diferentes; n√£o s√£o do mundo e foram escolhidos do meio "do mundo" (v. 19). Os valores, padr√Ķes e modo de viver dos fi√©is, entram em conflito com os m√©todos in√≠quos da sociedade perversa em meio √† qual vivem. Recusam qualquer transig√™ncia com os padr√Ķes √≠mpios, e, em contr√°rio a isso, apegam-se √†s "coisas que s√£o de cima e n√£o nas que s√£o da terra" (Cl 3.2).


Ef 1.4 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo,
para que f√īssemos santos e irrepreens√≠veis diante dele em caridade,

ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO
Ef 1.4,5 ‚ÄúComo tamb√©m nos elegeu nele antes da funda√ß√£o do mundo, para que f√īssemos santos e irrepreens√≠veis diante dele em caridade, e nos predestinou para filhos de ado√ß√£o por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o benepl√°cito de sua vontade.‚ÄĚ
 
ELEIÇÃO. A escolha por Deus daqueles que crêem em Cristo é uma doutrina importante (ver Rm 8.29-33; 9.6-26; 11.5, 7, 28; Cl 3.12; 1Ts 1.4; 2Ts 2.13; Tt 1.1). A eleição (gr. eklegoe) refere-se à escolha feita por Deus, em Cristo, de um povo para si mesmo, a fim de que sejam santos e inculpáveis diante dEle (cf. 2Ts 2.13). Essa eleição é uma expressão do amor de Deus, que recebe como seus todos os que recebem seu Filho Jesus (Jo 1.12). A doutrina da eleição abarca as seguintes verdades:
 
(1) A elei√ß√£o √© cristoc√™ntrica, i.e., a elei√ß√£o de pessoas ocorre somente em uni√£o com Jesus Cristo. Deus nos elegeu em Cristo para a salva√ß√£o (1.4; ver v. 1, nota). O pr√≥prio Cristo √© o primeiro de todos os eleitos de Deus. A respeito de Jesus, Deus declara: ‚ÄúEis aqui o meu servo, que escolhi‚ÄĚ (Mt
12.18; cf. Is 42.1,6; 1Pe 2.4). Ninguém é eleito sem estar unido a Cristo pela fé.
 
(2) A elei√ß√£o √© feita em Cristo, pelo seu sangue; ‚Äúem quem [Cristo]... pelo seu sangue‚ÄĚ (1.7). O prop√≥sito de Deus, j√° antes da cria√ß√£o (1.4), era ter um povo para si mediante a morte redentora de Cristo na cruz. Sendo assim, a elei√ß√£o √© fundamentada na morte sacrificial de Cristo, no Calv√°rio, para nos salvar dos nossos pecados (At 20.28; Rm 3.24-26).
 
(3) A elei√ß√£o em Cristo √© em primeiro lugar coletiva, i.e., a elei√ß√£o de um povo (1.4,5, 7, 9; 1Pe 1.1; 2.9). Os eleitos s√£o chamados ‚Äúo seu [Cristo] corpo‚ÄĚ (1.23; 4.12), ‚Äúminha igreja‚ÄĚ (Mt 16.18), o ‚Äúpovo adquirido‚ÄĚ por Deus (1Pe 2.9) e a ‚Äúnoiva‚ÄĚ de Cristo (Ap 21.9). Logo, a elei√ß√£o √© coletiva e abrange o ser humano como indiv√≠duo, somente √† medida que este se identifica e se une ao corpo de Cristo, a igreja verdadeira (1.22,23; ver Robert Shank, Elect in the Son (Eleitos no Filho). √Č uma elei√ß√£o como a de Israel no AT (ver Dt 29.18-21; 2Rs 21.14).
 
(4) A eleição para a salvação e a santidade do corpo de Cristo são inalteráveis. Mas individualmente a certeza dessa eleição depende da condição da fé pessoal e viva em Jesus Cristo, e da perseverança na união com Ele. O apóstolo Paulo demonstra esse fato da seguinte maneira:
(a) Oprop√≥sito eterno de Deus para a igreja √© que sejamos ‚Äúsantos e irrepreens√≠veis diante dele‚ÄĚ (1.4). Isso se refere tanto ao perd√£o dos pecados (1.7) como √† santifica√ß√£o e santidade. O povo eleito de Deus est√° sendo conduzido pelo Esp√≠rito Santo em dire√ß√£o √† santifica√ß√£o e √† santidade (ver Rm 8.14; Gl 5.16-25). O ap√≥stolo enfatiza repetidas vezes o prop√≥sito supremo de Deus (ver 2.10; 3.14-19; 4.1-3, 13,14; 5.1-18).
(b) O cumprimento desse prop√≥sito para a igreja como corpo n√£o falhar√°: Cristo a apresentar√° ‚Äúa si mesmo igreja gloriosa... santa e irrepreens√≠vel‚ÄĚ (5.27). (c) O cumprimento desse prop√≥sito para o crente como indiv√≠duo dentro da igreja √© condicional. Cristo nos apresentar√° ‚Äúsantos e irrepreens√≠veis diante dele‚ÄĚ (1.4), somente se continuarmos na f√©. A B√≠blia mostra isso claramente: Cristo ir√° ‚Äúvos apresentar santos, e irrepreens√≠veis, e inculp√°veis, se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na f√© e n√£o vos moverdes da esperan√ßa do evangelho‚ÄĚ (Cl 1.22,23).
 
(5) A eleição para a salvação em Cristo é oferecida a todos (Jo 3.16,17; 1Tm 2.4-6; Tt 2.11; Hb 2.9), e torna-se uma realidade para cada pessoa consoante seu prévio arrependimento e fé, ao aceitar o dom da salvação em Cristo (2.8; 3.17; cf. At 20.21; Rm 1.16; 4.16). Mediante a fé, o Espírito Santo admite o crente ao corpo eleito de Cristo (a igreja) (1 Co 12.13), e assim ele torna-se um dos eleitos. Daí, tanto Deus quanto o homem têm responsabilidade na eleição (ver Rm 8.29 nota; 2Pe 1.1-11).
 
A PREDESTINA√á√ÉO. A predestina√ß√£o (gr. proorizo) significa ‚Äúdecidir de antem√£o‚ÄĚ e se aplica aos prop√≥sitos de Deus inclusos na elei√ß√£o. A elei√ß√£o √© a escolha feita por Deus, ‚Äúem Cristo‚ÄĚ, de um povo para si mesmo (a igreja verdadeira). A predestina√ß√£o abrange o que acontecer√° ao povo de Deus (todos os crentes genu√≠nos em Cristo).
 
(1) Deus predestina seus eleitos a serem: (a) chamados (Rm 8.30); (b)justificados (Rm 3.24; 8.30); (c) glorificados (Rm 8.30); (d) conformados à imagem do Filho (Rm 8.29); (e) santos e inculpáveis (1.4); (f) adotados como filhos (1.5); (g) redimidos (1.7); (h) participantes de uma herança (1.14); (i) para o louvor da sua glória (1.12; 1Pe 2.9); (j) participantes do Espírito Santo (1.13; Gl 3.14); e (l) criados em Cristo Jesus para boas obras (2.10).
 
(2) A predestinação, assim como a eleição, refere-se ao corpo coletivo de Cristo (i.e., a verdadeira igreja), e abrange indivíduos somente quando inclusos neste corpo mediante a fé viva em Jesus Cristo (1.5, 7, 13; cf. At 2.38-41; 16.31).
 
RESUMO. No tocante à eleição e predestinação, podemos aplicar a analogia de um grande navio viajando para o céu. Deus escolhe o navio (a igreja) para ser sua própria nau. Cristo é o Capitão e Piloto desse navio. Todos os que desejam estar nesse navio eleito, podem fazê-lo mediante a fé viva em Cristo. Enquanto permanecerem no navio, acompanhando seu Capitão, estarão entre os eleitos. Caso alguém abandone o navio e o seu Capitão, deixará de ser um dos eleitos. A predestinação concerne ao destino do navio e ao que Deus preparou para quem nele permanece. Deus convida todos a entrar a bordo do navio eleito mediante Jesus Cristo.

QUESTION√ĀRIO
1- Por que os Cristãos não têem sido bem sucedidos na política?
2- Na política divina quem são os já eleitos que estão inscritos no livro da vida?
3- Onde est√° nossa verdadeira p√°tria?
4- Qual a verdadeira cidadania do crente?
5- Em qual atividade aqui na terra podemos dizer que existe realmente corrupção?
6- Os cristãos podem votar e serem votados de acordo com a lei vigente em nosso país?
7- Na hora de votar o crist√£o deve exercer seu direito de cidad√£o da ___________________.
8- Antes de votar o crente deve saber a vontade de DEUS pela ________________________.
9. Que recomenda Gl 6.10?


POL√ćTICA, ISSO √Č COISA PARA CRIST√ÉOS?
N√ďS, OS EVANG√ČLICOS PRECISAMOS ENTENDER QUE FOMOS ESCOLHIDOS DENTRE TANTOS, PELO PR√ďPRIO SENHOR JESUS CRISTO (Jo 15.16), N√ÉO PARA PREGAR O REINO MUNDANO E NEM ESTAMOS AQUI PARA REPRESENTAR-NOS A N√ďS MESMOS OU AO POVO EVANG√ČLICO. N√ďS N√ÉO QUEREMOS NENHUM CORRUPTO, OU MERCEN√ĀRIO, OU DESVIADO NOS REPRESENTANDO E MANCHANDO O NOME DE NOSSO SENHOR E MESTRE JESUS CRISTO QUE SENDO EM FORMA DE DEUS HUMILHOU-SE A SI MESMO,TOMANDO A FORMA DE HOMEM.
¬Ľ FILIPENSES [2.1-9; 15]
1 Portanto, se h√° alguma exorta√ß√£o em Cristo, se alguma consola√ß√£o de amor, se alguma comunh√£o do Esp√≠rito, se alguns entranh√°veis afetos e compaix√Ķes,
2 completai o meu gozo, para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo √Ęnimo, pensando a mesma coisa;
3 nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo;
4 não olhe cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o que é dos outros.
5 Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 o qual, subsistindo em forma de Deus, n√£o considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar,
7 mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, tornando-se semelhante aos homens;
8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz.
9 Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que é sobre todo nome;

15 para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo,
16 retendo a palavra da vida; para que no dia de Cristo eu tenha motivo de gloriar-me de que n√£o foi em v√£o que corri nem em v√£o que trabalhei.
 
FOMOS CHAMADOS PARA PREGAR O EVANGELHO DO REINO DE DEUS, DO C√ČU.
Jo 18.36 Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; entretanto o meu reino não é daqui.
 
QUEM REPRESENTA OS EVANG√ČLICOS DIANTE DO MUNDO √Č JESUS CRISTO DE NAZAR√Č.
Vejamos como o mundo olha para JESUS:
¬Ľ ISA√≠AS [53]
2 Pois foi crescendo como renovo perante ele, e como raiz que sai duma terra seca; não tinha formosura nem beleza; e quando olhávamos para ele, nenhuma beleza víamos, para que o desejássemos.
3 Era desprezado, e rejeitado dos homens; homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e n√£o fizemos dele caso algum.

A CRUZ √Č LOUCURA PARA O MUNDO, POIS REPRESENTA A VIDA SIMPLES E HUMILDE (SOFRIMENTO, ANG√öSTIA, DOR, L√ĀGRIMAS PELOS QUE PERECEM EM SEUS DESEJOS CARNAIS DE SENSUALIDADE E RIQUEZAS)
¬Ľ I CORINTIOS [1]
18 Porque a palavra da cruz é deveras loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.

O EVANG√ČLICO QUE ENTRA NA POL√ćTICA EST√Ā BUSCANDO GL√ďRIA E RIQUEZA AQUI.
MATEUS 16 26 Pois que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida? ou que dar√° o homem em troca da sua vida?
NO NOVO TESTAMENTO, QUE √Č O NOSSO CASO, N√ÉO TEMOS EXEMPLO DE ALGUM SERVO DE DEUS SER POL√ćTICO, TEMOS EXEMPLO DE POL√ćTICO ACEITANDO A JESUS CRISTO COMO SENHOR E SALVADOR DE SUAS VIDAS, MAS COM A PERSEGUI√á√ÉO QUE SE SEGUIU A TODOS OS CRIST√ÉOS, DUVIDO QUE ALGUM DELES PERMANECEU POL√ćTICO.
MARCOS 15.43 Jos√© de Arimat√©ia, ilustre membro do sin√©drio, que tamb√©m esperava o reino de Deus, cobrando √Ęnimo foi a Pilatos e pediu o corpo de Jesus.
ATOS 8.1 Naquele dia levantou-se grande persegui√ß√£o contra a igreja que estava em Jerusal√©m; e todos exceto os ap√≥stolos, foram dispersos pelas regi√Ķes da Jud√©ia e da Sam√°ria.
 
N√ÉO TEMOS NENHUM CASO DE CRENTES SE CANDIDATANDO A CARGO POL√ćTICO NA B√ćBLIA E MUITO MENOS ALGU√ČM SE ENRIQUECENDO COM O EVANGELHO NO NOVO TESTAMENTO, ANTES FORAM PERSEGUIDOS E MALTRATADOS PELOS TAIS.
TIAGO 2.6 Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não são os ricos os que vos oprimem e os que vos arrastam aos tribunais?
¬Ľ HEBREUS [11]
32 E que mais direi? Pois me faltará o tempo, se eu contar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel e dos profetas;
33 os quais por meio da f√© venceram reinos, praticaram a justi√ßa, alcan√ßaram promessas, fecharam a boca dos le√Ķes,
34 apagaram a força do fogo, escaparam ao fio da espada, da fraqueza tiraram forças, tornaram-se poderosos na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros.
35 As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição;
36 e outros experimentaram esc√°rnios e a√ßoites, e ainda cadeias e pris√Ķes.
37 Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao meio; morreram ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados
38 (dos quais o mundo n√£o era digno), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra.
39 E todos estes, embora tendo recebido bom testemunho pela fé, contudo não alcançaram a promessa;
40 visto que Deus provera alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados.

√Č PRECISO QUE AQUELE QUE INSISTIR EM ENTRAR NA POL√ćTICA SEJA CONSIDERADO COMO ID√ďLATRA.
1 Tm 6.10 Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores.
Ef 5.5 Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus.
 
NINGU√ČM PODE TER DOIS SENHORES
Mt 6.24 Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.
 
E QUEM QUER SEGUIR A CRISTO TEM QUE DEIXAR JESUS CRISTO APARECER E N√ÉO A SI PR√ďPRIO.
Mt 16.24 Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me;
 
O EVANGELHO √Č MORRER PARA O MUNDO E VIVER PARA DEUS. N√ÉO DEVEMOS NOS COLOCAR EM JULGO DESIGUAL COM OS INFI√ČIS (QUEM COMANDA O CRENTE POL√ćTICO N√ÉO √Č JESUS, √Č O PARTIDO)
2 Co 6.14 14 Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas? 15 Que harmonia há entre Cristo e Belial? ou que parte tem o crente com o incrédulo? 16 E que consenso tem o santuário de Deus com ídolos? Pois nós somos santuário de Deus vivo, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 17 Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor; e não toqueis coisa imunda, e eu vos receberei; 18 e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
 


www.casadosenhor.com.br
Salvar em PDF
Compartilhar

Estudos Bíblicos. Rádio Web Nova Vida - Bíblia Online

Minist√©rio Internacional Casa do Senhor. © 2003-2018 Todos os direitos reservados. ®