O Senhor Açoita

 

O SENHOR AÇOITA
 
Em Hebreus 12:6, a Bíblia diz que "o Senhor Deus corrige a quem ama, e açoita a qualquer que recebe como filho".
 
Açoitar é chicotear. À primeira vista não nos parece uma coisa lógica e aceitável o Senhor Deus açoitar quem recebe por filho... E este tipo de mensagem não faz parte da "lista de mensagens mais comuns" que se ouvem em nossas igrejas.

J√° de muito tenho ministrado que h√° uma ignor√Ęncia muito grande acerca de Deus entre os amados freq√ľentadores de uma das igrejas de Cristo. A maior parte dos que freq√ľentam nossas igrejas n√£o estar√° nela dentro de dois ou tr√™s anos. Talvez mais, talvez menos... muito menos...
Essa rotatividade tem muitos e variados motivos. Na presente gostaria de analisar e detalhar, dentro do espaço que me permite esta folha, apenas uma delas: o tratamento que Deus dispensa a todos quantos O procuram (a repreensão e os açoites).

Para um melhor entendimento do que preciso colocar, preciso lembrar que antes que existíssemos, a Bíblia diz que existiam Deus e seus anjos que O adoravam e O serviam. Uma parte desses anjos se levantou contra Deus. E eles foram expulsos dos Céus. Então nós fomos criados para ocupar o lugar dos anjos caídos, para glorificar o Senhor nosso Deus.

E Deus não vai permitir que haja uma outra rebelião nos céus. Uma outra terra, um outro céu. Aqueles que forem ocupar o lugar dos anjos que caíram, têm que ser absolutamente fiéis e submissos a Deus.

Neste sentido, todos nós estamos sendo submetidos a um processo de metamorfose a fim de que sejamos transformados de vis, perversos e imundos pecadores em santos, puros, imaculados e irrepreensíveis filhos de Deus.

Esse é o motivo pelo qual milhares de pessoas abandonam nossas igrejas: não suportam o tratamento de Deus.

Todos nós fomos formados numa forma defeituosa chamada "pecado". E todos nós, candidatos a uma vaga de anjo, precisamos ser libertos da pecaminosidade que nos afasta de Deus.

Quem não tem arrancada de si a sua pecaminosidade continua orgulhoso, arrogante, prepotente, altivo, egoísta, egocêntrico, vaidoso, avarento, falso, cobiçoso, ganancioso, impuro, vingativo, e etc, etc, etc.

Deus quer que todos nós estejamos para sempre consigo em sua gloria, em sua companhia, em comunhão com seu Espírito. Por isso precisa nos santificar. Entende?

A cada dia que passa o Espírito de Deus precisa ir enchendo, dominando, crescendo, expandindo-se dentro de nós, de nossa alma, espírito, coração e corpo. Essa expansão do Espírito dentro de nós se traduz na mudança de nosso comportamento (Ef.4:22-32; Fil.4:8; Col. 3:1-9; I Tes.4:1-7).

N√£o basta ter aceitado a salva√ß√£o. N√£o basta estar freq√ľentando uma igreja. Quem √© dominado pela carne (natureza humana, deca√≠da e pecaminosa) n√£o est√° apto para assumir o lugar de um anjo (Apo.21:8 e 22:15; Gal.5:19-21; Ef.5:5).

Há quanto tempo você está na Igreja? O quanto de sua carnalidade Deus já arrancou de você? 50%? 25%? 10%? 5%? 1%? Nada?

O teu comportamento (externação de tua personalidade) é o mesmo do ano passado? De 2, 3 ou 5 anos atrás? Quais aspectos de tua personalidade sofreram alguma mudança dede que você está na igreja?

Você está disposto a permitir que Deus te santifique?
 
Voc√™ vai permanecer na igreja mesmo em meio √†s lutas, adversidades, humilha√ß√Ķes, diverg√™ncias, injusti√ßas, desprezo, difama√ß√£o, opress√£o, incompreens√£o, solid√£o, abandono, persegui√ß√Ķes e esc√Ęndalos? (II Cor.11:23 a 28)
 
A tua resposta vai determinar a tua permanência na igreja, e a obra de Deus em teu coração, em tua vida. Vai garantir uma vaga na glória do Senhor, como anjo de Deus para toda a Eternidade.

 
PARTE 2

Na primeira parte da presente, fizemos referência ao tratamento que Deus dispensa a quem ama e recolhe como filho.

O texto-base é Hebreus 12:6 - o Senhor Deus corrige a quem ama, e açoita a qualquer que recebe como filho.

E foi dito que n√£o basta ter aceitado a salva√ß√£o que h√° em Cristo. N√£o basta estar freq√ľentando uma igreja. Como tamb√©m n√£o basta cantar, pregar, dirigir cultos e louvores. Quem √© dominado pela carne (natureza humana, deca√≠da e pecaminosa) n√£o est√° apto para assumir o lugar de um anjo (Apo.21:8 e 22:15; Gal.5:19-21; Ef.5:5).

Contudo, temos visto crescer o n√ļmero de pregadores que transmite a id√©ia de que Deus age tal e qual uma av√≥ arrependida que quer dar aos netos todo o carinho, toda a aten√ß√£o, todo o cuidado que n√£o deu aos filhos. Av√≥s que est√£o dispostas a fazer qualquer coisa para que seus netos n√£o chorem. Dispostas a serem chantageadas, dispostas a adular, bajular e subornar seus netos.

Deus quer ter seus filhos em sua companhia por toda a Eternidade. Quer gozar de nossa presença, de nossos louvores e de nossa adoração para sempre.

Para tanto, nós precisamos estar aptos, habilitados, preparados para recebermos os poderes, e a glória que é devida, que é inerente à sua condição.
 
O Senhor nosso Deus não pode permitir que uma pessoa falsa, mentirosa, arrogante, prepotente, gananciosa, ambiciosa, ciumenta, e com tantos outros defeitos, ou "traços da carne", vamos assim dizer, seja transformada em anjo.
 
Assim, toda a nossa carnalidade precisa ser retirada, num processo lento, gradual e doloroso chamado "santificação", através do qual o Espírito de Deus vai tomando conta de nosso ser.
 
Para que o Espírito de Deus nos domine, o nosso espírito carnal, pecaminoso, vendido sob a escravidão do pecado, precisa ser arrancado.
 
Precisamos ser transformados num processo que pode ser chamado de "metamorfose". Entre outros, metamorfose é o processo pelo qual as lagartas (asquerosos, nojentos, alguns gordos e venenosos manduruvás e taturanas) são transformadas em lindas, graciosas e aladas borboletas.

Da√≠ porque eu preciso dizer uma coisa que n√£o √© do conhecimento da maioria das pessoas que freq√ľentam conosco uma das igrejas de Cristo: a maior preocupa√ß√£o de Deus n√£o √© com a nossa felicidade. Pelo menos n√£o a felicidade como as pessoas imaginam.
 
A felicidade não nos garante uma vaga na glória. A santificação, sim. Desta forma, a maior preocupação de Deus é com a nossa santificação.

N√£o √© Deus, e nem √© a igreja que precisa se adequar ao crist√£o. √Č o contr√°rio: √© o crist√£o que precisa se adequar √† igreja, aos desejos, √† inten√ß√£o de Deus descritos na B√≠blia.

E nesse processo de transformação, de santificação é que entra a passagem que ora estudamos: Deus repreende a todos quanto ama, para que não sejam condenados como o mundo (I Cor.11:32). Se necessário (e na maior parte das vezes é) açoita aqueles a quem quer bem...

A cada dia que passa precisamos ir nos adequando ao padrão de perfeição de Deus. Esse padrão é descrito nas bem-aventuranças de Mateus 5. Deus precisa que todos nós alcancemos a humildade de espírito, o choro, a mansidão, a sede e a fome de justiça, a misericórdia, a pureza de coração, e a qualidade de pacificador que faz parte da personalidade dos anjos que adoram a Deus.

Volto a repetir: Deus não tem outra oportunidade senão a nossa vida terrena para nos santificar, para nos transformar, para nos tornar prontos para assumir o lugar e a função de anjos. Mais do que anjos, pois julgaremos os anjos que caíram (I Cor.6:3).

Então, nestes anos todos que você está na igreja: quanto de tua carnalidade já foi tirada de tua alma, de teu espírito, de teu coração?

PARTE 3 
 
Na primeira parte da presente, fizemos referência ao tratamento que Deus dispensa a quem ama e recolhe como filho. Na segunda parte explanamos um pouco mais sobre o assunto, dizendo que a maior preocupação de Deus não com a nossa felicidade e sim com a nossa santificação.

Gostaria de concluir assunto (pelo menos por ora), falando sobre os tais açoites de que fala a Bíblia. Em que consistem os tais açoites? À primeira vista parece que Deus seria um ser perverso, cruel e impiedoso. Aliás essa é a idéia que muitos fazem de Deus, como se fosse como os deuses greco-romanos, que tinham prazer na dor e na aflição dos seres humanos, que descarregavam em forma de desastres e catástrofes a sua ira e sua frustração.
 
Os povos antigos interpretavam as tempestades, as pestes, a seca e as enchentes como a ira dos deuses. Hoje, h√° muitos que pensam que Deus, estando irritado e decepcionado com os crist√£os, ou com a humanidade, estaria a mandar as desgra√ßas como forma de castigo (AIDS, guerras, flagelos, c√Ęncer).

Entre os cristãos diz-se que Deus "pesa a mão", numa referência ao Salmo 32.

No Antigo Testamento há várias referências ao castigo de Deus que eram anunciados pelos profetas. Tais "castigos", é preciso que se fique claro, não eram o desejo e a intenção de Deus, não eram a vontade direta do coração de Deus, mas uma necessidade, uma decisão judicial.
 
Há duas passagens que deixam isso bem claro, e é sobre as tais que se funda esta parte da mensagem. A primeira é em Jeremias 13:15-19 que diz: "dai glória ao Senhor vosso Deus, antes que tropecem os vossos pés nos montes tenebrosos, antes que esperando a luz Ele a converta em trevas e amargamente chorarão os meus olhos porquanto o rebanho do Senhor foi levado cativo.".

A segunda é também em Jeremias 2:13 e 19, que dizem: "o meu povo fez duas maldades: primeiro, a mim me deixaram o manancial de águas vivas, e, segundo, cavaram para si cisternas, cisternas rotas que não retém água. A tua malícia te castigará, as tuas apostasias te ........... Vê, pois, qual mau e quão amargo é deixares o Senhor teu Deus, e não teres contigo o meu temor."

Deus não age tal e qual uma avó arrependida que faz tudo para que seu neto não chore. Mente, briga, tem chiliques, ataca, adula, suborna, e tudo o que seja necessário para livrar seu neto da dor e das lágrimas.
 
Deus age de acordo com a sua Palavra. Há uma coisa que Deus não pode fazer, em toda a sua glória, em toda a sua Onipotência, em toda a sua majestade: Deus não pode mentir; Deus não pode pecar contra a sua Palavra. O que está escrito na Bíblia precisa acontecer, sob pena de ser atacado pelo Diabo.

O castigo de Deus a que se refere o vers√≠culo em quest√£o consiste em Deus permitir que colhamos o fruto de nossos pecados, as conseq√ľ√™ncias de nossos atos.
 
Quando estamos debaixo da sombra do Onipotente descansamos. Quando saímos dessa sombra, não temos mais descanso (Salmo 91:1).

Temos a proteção de Deus quando e enquanto estamos em sua presença. Não temos essa proteção quando dela saímos. Se temos nossos pecados perdoados, nossa comunhão com Deus se restabelece. Se cometemos pecado nossa comunicação com Deus é cortada, bloqueada, interrompida (Isaías 59).

Não podemos desfrutar dos prazeres do pecado e da presença de Deus de forma concomitante.
 
A imediata e irremedi√°vel conseq√ľ√™ncia do pecado √© a perda da comunh√£o, da comunica√ß√£o, da manifesta√ß√£o da gl√≥ria, do poder, da alegria, e do gozo do Esp√≠rito de Deus em nos. Esse √© o castigo e o a√ßoite de que falam a B√≠blia.


www.casadosenhor.com.br
Salvar em PDF
Compartilhar

Estudos Bíblicos. Rádio Web Nova Vida - Bíblia Online

Minist√©rio Internacional Casa do Senhor. © 2003-2018 Todos os direitos reservados. ®